Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Woody Allen: seus filmes são mesmo autobiográficos? - cover

Woody Allen: seus filmes são mesmo autobiográficos?

Elie Cheniaux

Publisher: Autografia

  • 0
  • 1
  • 0

Summary

Tão apaixonado por Woody Allen quanto por seu suposto alter ego das telas, Elie Cheniaux se debruça de forma minuciosa sobre a vida e obra do ator, diretor e roteirista para investigar até que ponto vão as semelhanças e diferenças. A decupagem criteriosa de seus 50 longas-metragens resultou em um trabalho revelador por parte do autor. 
Marcelo Janot (crítico de cinema, O Globo)

Other books that might interest you

  • A hora de tocar piano - Manual para Leigos: O Piano numa Didática para a Vida - cover

    A hora de tocar piano - Manual...

    Maria Angela Pires

    • 0
    • 0
    • 0
    O objetivo deste livro não é relacionar conteúdos de Alfabetização Musical ao Piano. É demonstrar o quanto estes conteúdos podem dar pistas de como a pessoa pode se conhecer melhor e lidar melhor com suas dificuldades e suas habilidades tanto para sua vida particular, seu trabalho, como para se realizar tocando piano.
    Show book
  • Do mundo de Herberto Helder - cover

    Do mundo de Herberto Helder

    Luis Maffei

    • 0
    • 0
    • 0
    Do mundo de Herberto Helder ensina: 'A luta é dolorosa desde sempre/ antes de Homero escrever/ cantar que a luta é dolorosa' (Maffei, Vista de Olímpia, 2016). Aceite o ensaio como gênero impuro (Goulart), no limiar do poema, sem estabelecer dependência de qualquer lei de gênero (Silvina Rodrigues Lopes), enquanto acadêmico e ensaísta, Luis Maffei não teme interrogar a hipótese de haver uma pedagogia da poesia em geral e da herbertiana em particular, sabendo que ensinar literatura é já um paradoxo. Leitor incendiado por dentro do fogo que a faca não corta, Maffei coloca-se no centro da ferida-Herberto – quem será este tipo? quem será este texto? –, em combate e embate frontal com o poema, puro e duro, em cópula. Resultado do trabalho de mais de década e meia de investigação, este livro participa da lição (e é dela réplica, também sísmica) de Camões e de Herberto-leitor-de-Camões, conforme à metamorfose do amador em que se transforma o leitor na coisa lida. Em pathos e patologia partilhada com raros ensaístas que pertencem à comunidade aflitiva que lê A poesia portuguesa hoje (Gastão Cruz), Luis Maffei é, dos da sua geração, um dos mais antigos, informados e potentes leitores da atualidade, sujeito forte em diálogo revolto e desobediente com parte do cânone da literatura portuguesa, que se refaz com a sua leitura. A concepção eminentemente atual do poema (Ruy Belo, Na senda da poesia) herbertiana é, pela leitura de Maffei, expandida a um programa: o exercício de um poder que atende pelo nome arriscado de liberdade. A luta é dolorosa e a poesia não salva. E, no entanto, há raros leitores como Maffei (um dos ensaístas vivos que me interessa mais), que criam uma zona de liberdade transitável. Este lugar (em que é livre também ser contaminado) é lição a ser aceite por quem ler 'os livros atrás a arder para toda a eternidade'.
    Show book
  • Finas flores - Mulheres letristas na canção brasileira - cover

    Finas flores - Mulheres...

    Jorge Marques

    • 0
    • 0
    • 0
    Finas flores – mulheres letristas na canção brasileira se dedica a investigar e ajustar o papel de compositoras mulheres na história da MPB. Mais próximas ao papel de musa, no máximo de intérpretes, nossas criadoras são, muitas vezes, secundarizadas num ambiente que associa, por vezes de modo indelevelmente arraigado, produção a masculino. Jorge Marques, que chega a seu terceiro livro, convida Dolores Duran, Maysa, Rita Lee, Fatima Guedes, Joyce e Adriana Calcanhoto para conversar com as mulheres, entendendo que o lugar delas só pode ser em primeiro plano.
    Show book
  • Divagar Devagarinho - cover

    Divagar Devagarinho

    Fernando Mf Oliveira

    • 0
    • 1
    • 0
    “DIVAGAR, DEVAGARINHO” lança um olhar sobre a nossa cultura e tenta sondar a alma nacional através dessa linguagem universal - a música e a poesia. 
     
    Quer, também, através da perspectiva do homem e do profissional, da fé e do trabalho, analisar temas tão diversos e importantes quanto o Sistema Único de Saúde, o futuro da Humanidade, a alegria de viver, a motivação que dá sentido ao levantar em plena segunda-feira pela manhã.
     
    Não será “um samba do crioulo doido”, mas é um convite a que você entre na “roda” e celebre a vida, as crianças e as utopias - todos aqueles sonhos que impulsionam a Humanidade para o futuro, para o progresso, para a justiça e para a liberdade.
     
    Embalados por estes “acordes” e estas “letras”, desejo percorrer, devagarinho, porque assim devagarinho que a vida foi moldando tanto o profissional quanto o homem, alguns caminhos que o coração humano anseia encontrar, desesperado por achar alguma placa que indique a saída.
    Show book
  • Memórias de um casal liberal - cover

    Memórias de um casal liberal

    Sergio Brian

    • 0
    • 0
    • 0
    A iniciação e as experiências do casal Sergio e Vera no meio liberal.
    Show book
  • Manual de A a Z para síndicos e moradores - cover

    Manual de A a Z para síndicos e...

    Angela Alencastro

    • 0
    • 0
    • 0
    Reunindo sua prática de gerente de produtos e de processos em empresas de grande porte, a autora decidiu compartilhar sua experiência e conhecimento para elaborar um manual que inclui de maneira clara e fácil todos os assuntos vinculados à administração de um edifício – seja empregados, elevadores, playground, assembleias, até ar-condicionado, segurança, água e animais de estimação.  Tudo com a legislação pertinente.
    Show book