Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Salada no liquidificador - cover

Salada no liquidificador

Daniel Faconti

Publisher: Cia do eBook

  • 0
  • 1
  • 0

Summary

Este livro não segue uma linha, linguagem ou critério; é uma mistura de músicas, letras, contos, cartas, história; por isso o nome: Salada no liquidificador.
Available since: 05/03/2016.

Other books that might interest you

  • O Que Fazem Mulheres - cover

    O Que Fazem Mulheres

    Camilo Castelo Branco

    • 6
    • 17
    • 0
    "Escreve-se esta crónica enquanto as imagens dos algozes e vítimas me cruzam por diante da fantasia, como bando de aves agoureiras, que espirram de pardieiro esboroado, se as acossa o archote dum fantasma. Tenebroso e medonho! É uma dança macabra! Um tripúdio infernal! Coisa só semelhante a uma novela pavorosa das que aterram um editor, e se perpetuam nas estantes, como espectros imóveis. Há aí almas de pedra, corações de zinco, olhos de vidro, peitos de asfalto? Que venham para cá."
    Show book
  • Charneca em Flor - cover

    Charneca em Flor

    Florbela Espanca

    • 0
    • 5
    • 0
    No imaginário feminino português, "Charneca em Flor" celebra um ultrapassamento literário: a ruptura com o estereótipo de mulher imposto pelo patriarcado. A partir daqui, a dor e as Saudades (dotes de mulher) são já um fantasma que ela vê passar pelas vielas de Évora, na figura evanescente da Menina e Moça que fora. Revisitando agora a sua origem alentejana, a nossa investida Sóror Alcoforado (antiga Dama de Bernardim e mística Dona de Garcia de Resende) despe a mortalha e abandona a clausura para, em comunhão telúrica, abrir-se em flor - impulso que, desejo erótico, é também pulsão de morte. Todavia, dentro desse paradoxo, Florbela se experimenta (em voo livre do regional para o nacional) avatar feminino de Camões. E deste modo mergulha em definitivo na fonte mesma do soneto - forma fixa que passara a vida a ajustar a fim de torná-la mais condizente ao seu género. Afinal, no seu espartilho poético, o soneto não lembra a cela, da qual toda a mulher se quer evadir?!
    Show book
  • Lisboa no Ano Três Mil - cover

    Lisboa no Ano Três Mil

    Cândido de Figueiredo

    • 1
    • 5
    • 0
    Ocorreu-me uma grande e legítima ambição: viver no futuro; guindar-me ao vértice das civilizações vindoiras, e estirar a vista por todo o passado, abrangendo num lance de olhos todas as sociedades extintas e todo o quadro ingente dos progressos humanos. Devia ser um momento assombroso. Mas este plano, segundo o que me observou o doutor, era de execução dificílima. Para ler toda a história do futuro, seria mister um sono hipnótico de muitos meses ou de muitos anos, e à dificuldade acresceria o perigo. Tive que modificar a minha ambição: — Visto que em poucas horas não é possível fazer a revista dos séculos, como se faz a revista do ano para os teatros de terceira ordem, desejo, senhor conde, que por duas ou três horas a sugestão me transporte ao ano Três Mil, e que me coloque no ponto mais civilizado do mundo de então, podendo eu saber se ainda haverá memória do meu país e o que dele se pensa. — Far-se-á o que deseja, — rematou o hipnotizador. — E, sem pronunciar uma palavra mais, sentou-se defronte de mim, tocando nos meus joelhos com os dele. Abriu as mãos e espalmou-mas nas regiões temporais, obrigando-me a fixar os olhos no seu olhar, vivo, penetrante e ao mesmo tempo imóvel. Senti percorrer-me o corpo uma languidez estranha, e adormeci profundamente.
    Show book
  • Os Maias - cover

    Os Maias

    Eça de Queirós

    • 1
    • 0
    • 0
    A obra-prima do autor, publicada em 1888, é uma das mais importantes de toda a literatura portuguesa. É um romance realista onde não faltam o fatalismo, a análise social e a catástrofe, próprios do enredo passional. É um retrato da sociedade contemporânea do autor. 
    A obra ocupa-se da história da família Maia, ao longo de três gerações, centrando-se na última, com a história de amor incestuoso entre Carlos da Maia e Maria Eduarda. 
    
    José Maria de Eça de Queirós, (1845/ 1900) é um dos mais importantes escritores portugueses da história. O escritor participou de um período de mudança, em que o romantismo dava lugar ao realismo. Na primeira fase da sua carreira, produziu obras com influência romântica. O realismo aparece nas narrativas da segunda fase. Na terceira e última, Eça apresenta textos mais imaginativos.
    Show book
  • A Intrusa - cover

    A Intrusa

    Júlia Lopes de Almeida

    • 0
    • 0
    • 0
    Júlia Lopes de Almeida narra neste que é um de seus mais belos romances a história do viúvo Argemiro, que fez votos de fidelidade eterna e de nunca mais se casar à sua amada Maria em seu leito de morte. Deste amor, nasceu Maria da Glória, jovem criada pelos avós numa chácara nos arredores do Rio de Janeiro. Sem tempo para criar a filha, devido ao trabalho, Argemiro a visita na chácara e a recebe ocasionalmente em sua casa, que fica aos cuidados do velho ex-escravo Feliciano, que abusa nas despesas da casa e age como dono, lendo os jormais do patrão e fumando seus charutos. Querendo a presença maior da filha em sua casa, Argemiro coloca um anúncio no jornal para contratar uma governanta e entra em cena d. Alice, moça de fino trato, prendada e fluente em línguas. Glória a rejeita inicialmente, mas acaba sendo conquistada, para profundo desgosto de sua avó Luiza, que passará o resto do livro tentando afastar Alice, de quem ela suspeita estar interessada em tomar o lugar de sua falecida filha, fazendo Argemiro quebrar seu juramento. Num ritmo crescente de suspeitas e desavenças, apenas no final do livro o real objetivo desta intrusa será revelado.
    Show book
  • Eles não moram mais aqui - cover

    Eles não moram mais aqui

    Ronaldo Cagiano

    • 0
    • 0
    • 0
    Eles não moram mais aqui, o 17o. livro do autor Ronaldo Cagiano, reúne dezasseis contos escritos ao longo de nove anos. Publicado em 2015 no seu país natal, o livro ganhou o Prémio Jabuti de 2016, um dos mais importantes prémios literários nacionais do Brasil. Nesta obra é possível encontrar belas referências aos grandes nomes da literatura mundial, como James Joyce, Rainer Maria Rilke, e especialmente da literatura brasileira, como Clarice Lispector, Nuno Ramos, Mário Faustino e Marçal Aquino. O texto de Cagiano não é descanso, não é placidez, não é um passeio de domingo em jardins floridos. A sua beleza está, justamente, no seu estilo bruto, na dissecação de dores e tormentas. Como o crítico, poeta e escritor André di Bernardi sugere, ao ler Cagiano damo-nos conta da fúria do tempo e de que 'somos literalmente tragados diante do fluxo furioso da vida'.
    Show book