Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Arte e sustentabilidade Ed 04 - Crochê - cover

Arte e sustentabilidade Ed 04 - Crochê

Criarte

Publisher: Criarte

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

A revista Coleção Mega Artesanato Arte & Sustentabilidade ed.04 traz um tema de muita importância e que muitos adoram: a chegada da primavera, com suas flores e a gama de cores que a acompanham. Na primavera, toda a natureza vegetal e climática revela-se em beleza, colorido e leveza. As flores explodem em cores e, desta forma, trazem o fruto, a semente que se expandirá em um novo ser, perpetuando, assim, a espécie.
Considerada a mais linda das estações, é nela que a mente fica mais positiva, há um clima de boas expectativas, e isso ocorre pela bela aparência da vegetação, das aves e de outros animais que se manifestam aos nossos olhos com mais constância e abundância. A primavera faz brotar em nós um ar de começos e recomeços, as pessoas ficam mais amáveis umas com as outras e estão no melhor do seu humor. 
Para o Xintoísmo, religião oficial do Japão, tudo na natureza é representação de Deus. Assim, as plantas e o seu brotar são sinônimos da força concentrada de Deus.
Para os budistas, a primavera também tem um significado importante: “Buda nasceu na primavera, no meio de uma chuva doce, e todas as flores se abriram”.
E é nesse clima de primavera que apresentamos nesta edição peças lindíssimas de nossas amigas e artesãs, com participação especial de nossa querida Cristina Luriko, expert em crochê. São trabalhos que inspiram a alegria, a beleza, a leveza, o amor e o bom humor, fundamentais para a nossa qualidade de vida. Afinal, ser sustentável também é possuir saúde em nossas atitudes, no corpo, na mente e no coração.
Até a próxima.

Other books that might interest you

  • Do mundo de Herberto Helder - cover

    Do mundo de Herberto Helder

    Luis Maffei

    • 0
    • 0
    • 0
    Do mundo de Herberto Helder ensina: 'A luta é dolorosa desde sempre/ antes de Homero escrever/ cantar que a luta é dolorosa' (Maffei, Vista de Olímpia, 2016). Aceite o ensaio como gênero impuro (Goulart), no limiar do poema, sem estabelecer dependência de qualquer lei de gênero (Silvina Rodrigues Lopes), enquanto acadêmico e ensaísta, Luis Maffei não teme interrogar a hipótese de haver uma pedagogia da poesia em geral e da herbertiana em particular, sabendo que ensinar literatura é já um paradoxo. Leitor incendiado por dentro do fogo que a faca não corta, Maffei coloca-se no centro da ferida-Herberto – quem será este tipo? quem será este texto? –, em combate e embate frontal com o poema, puro e duro, em cópula. Resultado do trabalho de mais de década e meia de investigação, este livro participa da lição (e é dela réplica, também sísmica) de Camões e de Herberto-leitor-de-Camões, conforme à metamorfose do amador em que se transforma o leitor na coisa lida. Em pathos e patologia partilhada com raros ensaístas que pertencem à comunidade aflitiva que lê A poesia portuguesa hoje (Gastão Cruz), Luis Maffei é, dos da sua geração, um dos mais antigos, informados e potentes leitores da atualidade, sujeito forte em diálogo revolto e desobediente com parte do cânone da literatura portuguesa, que se refaz com a sua leitura. A concepção eminentemente atual do poema (Ruy Belo, Na senda da poesia) herbertiana é, pela leitura de Maffei, expandida a um programa: o exercício de um poder que atende pelo nome arriscado de liberdade. A luta é dolorosa e a poesia não salva. E, no entanto, há raros leitores como Maffei (um dos ensaístas vivos que me interessa mais), que criam uma zona de liberdade transitável. Este lugar (em que é livre também ser contaminado) é lição a ser aceite por quem ler 'os livros atrás a arder para toda a eternidade'.
    Show book
  • As distâncias do cinema - cover

    As distâncias do cinema

    Jacques Rancière, Estela Dos...

    • 0
    • 0
    • 0
    Jacques Rancière não se considera um filósofo do cinema, um teórico do cinema ou um crítico de cinema. Antes, vê-se como um amador, para quem o cinema, sendo um campo múltiplo e heterogêneo, só pode se constituir na encruzilhada entre experiências, afetos e saberes, entre arte, trabalho e coletividade. Ser um amador, e defender essa posição como política, significa então afirmar que o cinema é "um sistema de distâncias irredutíveis entre coisas que têm o mesmo nome sem serem membros de um mesmo corpo".
    
        Notável pensador da política, da imagem, da literatura e das artes, neste livro os encontros de Rancière com o cinema se dão por meio de três distâncias: a distância entre cinema e teoria, entre cinema e arte e entre cinema e política. Mas se engana quem supõe que o encontro em questão visa a suprimir essas distâncias. Para Rancière, a distância, ou a separação, é a condição mesma de toda relação. Sendo o cinema, em sua heterogeneidade, um "espaço comum de pensamento", trata-se então de novas mensurações, de ora reduzir, ora repor as distâncias, isto é, de aproximar o que estava distante ou de se distanciar do excessivamente próximo.
    
    
        Ao afirmar que o cinema só existe como uma "fronteira instável que, para existir, precisa ser sempre atravessada", Rancière dedica-se a uma análise que transita pelo interior de diferentes experiências cinematográficas sem submetê-las a enquadramentos conceituais preexistentes. Nessas passagens e tensões, nessas aproximações e distanciamentos entre cineastas tão diversos como Hitchcock, Vertov, Bresson, Minnelli, Rossellini, Straub e Pedro Costa, está a afirmação de que o cinema só é arte contanto que seja mundo: mundo compartilhado para além da realidade material de suas projeções e habitado por formas de vida que são políticas quando são também capazes de estar à altura do que vivem.
    
    
                            Ilana Feldman
    
    
    Jacques Rancière é um dos filósofos mais respeitados da atualidade. Professor emérito da Universidade Paris VIII (St. Denis), dedicou-se a pesquisas sobre as classes operárias francesas e lutas políticas marginalizadas da história oficial. Atualmente tem explorado as relações entre estética e política, com ênfase nas artes visuais, em livros como "Le Destin des images" (publicado pela Contraponto), "La Partage du sensible", "Le Spectateur emancipe" e "Aisthesis. Scènes du régime esthétique de l´art".
    
    
    "Para mim, escrever sobre cinema é assumir ao mesmo tempo duas posições contraditórias. A primeira é que não há nenhum conceito que reúna todos esses cinemas, nenhuma teoria que unifique todos os problemas que eles suscitam. [...] Já a outra posição diz, ao inverso, [...] que o pensamento do cinema é o que circula nesse espaço, pensa no meio dessas distâncias e se esforça para determinar este ou aquele vínculo entre dois cinemas ou dois ?problemas de cinema´. Esta é a posição do amador. [...] A política do amador afirma que o cinema pertence a todos aqueles que, de uma maneira ou de outra, viajaram dentro do sistema de distâncias que seu nome permite e que cada um pode traçar [...], pois uma arte nunca é apenas uma arte; sempre é, ao mesmo tempo, uma proposta de mundo."
    
    
                            Jacques Rancière
    Show book
  • Inacabamento um gesto de resistência na história - cover

    Inacabamento um gesto de...

    Berilo Luigi Deiró Nosella

    • 0
    • 0
    • 0
    "Trata-se, de fato, de um modo surpreendente de abordar historicamente temas consagrados, já dignos de vasta bibliografia. O que só vem reiterar, portanto, o singular trabalho acadêmico que agora se publica, sua contribuição para a atual etapa dos estudos históricos de nosso teatro em campo teórico e conceitual, assim como a importância sumária de autores dramaturgos como Luigi Pirandello e Jorge Andrade, fontes inesgotáveis de pesquisa, sob diferentes perspectivas, algumas delas, como no presente livro, agradavelmente renovadoras".
    
    O autor é Graduado em Artes/Comunicação - Bacharelado em Imagem e Som pela Universidade Federal de São Carlos - UFSCar (2001). Mestre em Literatura e Crítica Literária pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP (2007). Doutor na área de História e Historiografia do Teatro do Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO (2008). Lidera o Grupo de Pesquisa do CNPq Estética e História das Artes Cênicas . Pesquisador vinculado aos Grupos de Pesquisa do CNPq: Estudos Laboratório Espaço de Estudos sobre o Cômico -UNIRIO (LEEC) e História e Teatro - UFU. Tem experiência na área de Artes - Teatro, com ênfase em Teoria e História do Teatro, Análise do Texto e de Cena Teatral e Elementos Visuais do Espetáculo, atuando principalmente nos seguintes temas: Teoria e História do Teatro, Dramaturgia Moderna, Dramaturgia Moderna Brasileira, História e Formação do Teatro Brasileiro, Iluminação Cênica e Encenação.
    Show book
  • Contos e Letras - Uma passagem pelo tempo - cover

    Contos e Letras - Uma passagem...

    Paulo Sergio Valle

    • 0
    • 0
    • 0
    São contos e letras de músicas oriundos do universo do compositor e escritor Paulo Sergio Valle. Nesta obra ele conta sua trajetória de vida nos últimos 70 anos desde quando pilotava aviões até as músicas que fez ao lado de grandes nomes da MPB como seu irmão Marcos Valle, Nelson Motta, Herbert Vianna, entre outros e sua passagem pela Bossa Nova. O livro é quase uma autobiografia, contada de maneira leve e repleta de humor. Cada capítulo nos faz viajar pela história não apenas do autor, mas também do nosso país e muito de nossa música. Um dos principais nomes da Música Popular Brasileira ficou conhecido pelo seu amor pelos esportes como triatleta, quando pedala, nada e corre por vários pontos do Rio de Janeiro ou ainda em outros momentos pilotando seu pequeno avião. Suas histórias já atravessaram países depois que pedalou por inúmeras vezes pelo caminho de Santiago de Compostela.Fala ainda de suas composições cantadas por nome como Maria Bethânia, Roberto Carlos, Ivete Sangalo, José Augusto, Chitãozinho e Chororó, Erasmo Carlos, Caetano Veloso, entre outros.Esta é a sétima obra do compositor que divide seu tempo entre suas composições, os livros e a presidência da UBC – União Brasileira de Compositores.
    Show book
  • Changeman Jaspion Jiraiya e Cia - cover

    Changeman Jaspion Jiraiya e Cia

    João Lobato

    • 0
    • 0
    • 0
    Com texto bem-humorado, Changeman, Jaspion, Jiraiya & Cia. mergulha no que há de mais inusitado e intrigante sobre as séries de ação japonesas, os tokusatsu. Explorando o seu incrível – e por vezes bizarro – desenvolvimento, o livro é uma pedida certa para interessados na história da TV, para qualquer pessoa que goste da cultura nipônica ou de histórias que mesclam temas improváveis – como samurais combatendo extraterrestres – ou simplesmente para quem quer relembrar os heróis da infância e da adolescência.
    Show book
  • Modernismo e antimodernismo - cover

    Modernismo e antimodernismo

    Voltaire Schilling

    • 0
    • 0
    • 0
    Entendo, aqui, o conceito de Modernidade como aplicado à época em que vivemos, o que nos é contemporâneo, o que historicamente está bem próximo de nós e que molda o nosso dia a dia, ainda que tenha suas raízes cravadas mais ou menos na metade do século XIX. Modernismo, por sua vez, é a expressão cultural e estética que se manifesta depois da afirmação da Modernidade; é como ela aparece nas artes, na literatura, na arquitetura, no cinema, etc., enquanto reservo a palavra Vanguarda para indicar a minoria consciente: os precursores dos fenômenos artísticos da nossa época. O que se segue é um conjunto de vivos recortes de momentos históricos diferentes que procuram situar no tempo a emergência dos Movimentos Modernistas mais significativos e quais foram suas relações com as estruturas socioeconômicas e com o poder ideológico da sua época. Em muitos dos artigos-ensaios que se seguem, o autor optou pela narrativa e não por uma exposição teórica – um tanto ao revés do que recomendou certa vez Henri Lefebvre –, com a intenção de humanizar problemas existenciais e técnicos enfrentados pelos artistas citados. Contemplou, também, as difíceis relações que o Movimento Modernista travou com as ideologias do século XX: o comunismo, o nazi-fascismo e o liberalismo, ressaltando as maneiras distintas com que a Vanguarda reagiu a eles, ou foi perseguida e, simultaneamente, utilizada por eles.
    Show book