Turn 2021 into a year of reading!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
O Que Eu Deixei de Dizer e Escrevi - Pensamentos e Reflexões - cover

O Que Eu Deixei de Dizer e Escrevi - Pensamentos e Reflexões

Celso Batello

Publisher: Digitaliza

  • 0
  • 1
  • 0

Summary

Este Iivro demonstra a busca de um homem em compreender, não somente a si próprio, ao seu semelhante, as outras criaturas, como, sobretudo o Universo. Plenamente manifestada pelas suas outras obras em Medicina e áreas afins, é um livro, ao mesmo tempo, singelo e profundo. 
“O que eu deixei de dizer e escrevi” revela ensinamentos profundos, que a personalidade de uma criatura humana viveu e conheceu. Na vida como ela é, nua e crua, sem, entretanto, sem perder a capacidade de perceber o belo e de sentir o outro através de uma empatia e intuição. Esta procura incessante, como única forma de ser feliz, tem a Natureza como a maior manifestação de Deus, é uma obra que interessa a homens e mulheres de todas as idades, principalmente à aqueles que efetuam uma busca interna e sincera para atingir a serenidade necessária para uma vida plena.

Other books that might interest you

  • Duas histórias e um programa de tv - cover

    Duas histórias e um programa de tv

    Stella Bento

    • 0
    • 0
    • 0
    Escrevi Duas histórias e um programa de TV numa tentativa de refletir sobre superexposição; sobre confusão entre ser famoso e ser artista; sobre a falta de jornalismo e de informação e excesso de "coisa-nenhuma" em programas pretensamente jornalísticos. É um início de diálogo. Há muito o que ponderar e dialogar sobre o assunto.
    Stella Bento
    Show book
  • Poemas de vida e de morte de um médico à noite - cover

    Poemas de vida e de morte de um...

    Gustavo Nobre de Jesus

    • 0
    • 0
    • 0
    O escritor e poeta Gustavo Nobre de Jesus, um médico habituado aos longos plantões no hospital da cidade de Lisboa, nos seus 14 poemas nos fala sobre aquilo que o assombra nas noites mais frias, sobre 'estar só / estar indelevelmente só', já que há sempre algo de dramático em escrever poemas. As noites são cativas, as solidões são desperdiçadas entre os barulhos da cidade, televisões, leituras e crianças que correm no andar de cima. 'Nós éramos um filme, Hollywood era Lisboa, eu sentia-me Bogart e junto aos lábios fiz o que pude'. Assim são os poemas - crus e de uma realidade arrebatadora - de Gustavo Nobre, um homem, um médico, que se depara com a crueza da vida nos corredores assépticos de um hospital e, paradoxalmente, é arrebatado nas páginas daquilo que escreve, com a assepsia do contato humano, sempre mediado por livros, telas, links do Youtube e aplicações de iPad.
    Show book
  • Arquivos de dispositivos móveis - cover

    Arquivos de dispositivos móveis

    Rodrigo Goulart

    • 0
    • 0
    • 0
    Nesta obra, o autor reúne poemas que escreveu nos últimos três anos. São de ordens diversas: sobre a arte, o tempo e outras forças que estão à nossa volta. São frutos de fatos impactantes, observações cotidianas, de percepções repentinas ou de construções cuidadosas. Alguns são experimentações de palavras, versos, brincadeiras semânticas e gramaticais. Outros, ele ainda não descobriu o que são, faltou-lhe decifrar a própria construção. Para esta tarefa, o autor pede contribuições, e que destas nasçam outros arquivos.
    Show book
  • Desertos - cover

    Desertos

    Rui José Carvalho

    • 0
    • 0
    • 0
    A pena poética de Rui José Carvalho propõe-se discorrer habilmente sobre a imagem do fotógrafo António Caeiro, numa obra que explora os recantos subjetivos da primeira pessoa. 'Desertos', com a Folha de Sala de Paulo José Miranda, apresenta-nos uma díade que causa uma vertigem no texto. A imagem falaria por si só, mas o texto traduz para palavras uma atmosfera indizível — assim acontece o encontro do poeta com o fotógrafo. Rui José Carvalho caminha por três vielas estreitas que convergem naturalmente para uma estrada comum: a poesia que é prosa, que é ensaio, que é absoluta poesia. O recorte fotográfico de António Caeiro inspira a crueza deserta da lente humana, isolando pormenores estáticos a nu, que provocam pelo canto do olho a crueza da alma do leitor, a quem resta absorver de um trago uma dupla inevitável.
    Show book
  • Paisagem antiga - cover

    Paisagem antiga

    Alcinéa Cavalcante

    • 0
    • 0
    • 0
    Lançado na Bienal Internacional, o livro "Paisagem Antiga" da escritora, poeta e jornalista amapaense Alcinéa Cavalcante, reúne poemas e crônicas, recheados de cores, sabores,ternura, estrelas, lirismo. Os  poemas são de uma leveza admirável, com palavras exatas e frases sintéticas que atingem a essência da poesia lírica. Das crônicas - também chamadas de "cronipoemas"- surgem imagens plenas de ternura em textos bem construídos, onde há a junção dos estilos jornalístico e poético.
    Show book
  • Um amor_ entre outros - Me tira para dançar - cover

    Um amor_ entre outros - Me tira...

    Michelly Rocha

    • 0
    • 0
    • 0
    Este e-book é um reunido de poesias, poemas, frases, cartas, entre outros, que falam de amor, saudade, encontros, paixões, esperança.
    Escritos numa linguagem do cotidiano, são poemas feitos para as mulheres. Permita-se viajar em cada poema.
    Com uma sintonia única entre ser e sentir, os poemas mostram o êxtase de amar alguém, sentir saudades, a ansiedade do primeiro encontro, a dor de alguém que partiu e deixou seu montinhos de cacos, e a alegria de novos amores. E como é imaginar a mulher que te arranca suspiros em seus braços.
    Show book