Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Água: o ouro azul: - Usos e abusos dos recursos hídricos - cover

Água: o ouro azul: - Usos e abusos dos recursos hídricos

Casarin Author, Santos Author

Publisher: Editora Garamond

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Ao longo dos últimos séculos, nosso ambiente sofrendo agressões cada vez mais impactantes.Nossas encostas e matas são devastadas. Rios, lagoas e nascentes são poluídos por esgoto,lixo, dejetos industriais e agrotóxicos. Nossas encostas e  nossas fl oras estão ameaçadas por uma intensa  degradação. Este livro apresenta as características da água e sua importância para a vida humana  e o bem-estar do planeta. Discute também como  a sociedade atual usa a água e quais os  problemas  provocados por esse uso, apontando   os  possíveis caminhos para resolvê-los.

Other books that might interest you

  • Os adoráveis trapalhões - cover

    Os adoráveis trapalhões

    Paulo Franco, Luis Joly

    • 0
    • 1
    • 0
    ô psit, esta obra não é dirigida somente aos fãs do grupo, àqueles que tiveram a oportunidade de assistir ao quarteto em seu auge. Qualquer aficionado do bom humor ou interessado na história da nossa TV deve passar por estas páginas. Os Trapalhões significaram quatro décadas na televisão e no cinema, encantando crianças e adultos, que riram com seu humor genuinamente simples, bem-feito e com a cara do Brasil. Neste livro, você terá a oportunidade de acompanhar o nascimento do quarteto, a história da primeira formação, ainda na TV Excelsior. As mudanças no elenco até a consagração na Globo. Verá, também, os bastidores da polêmica separação, em 1983, e saberá como foi o fim do grupo, poucos anos depois. Capítulos extras trazem ainda um pouco da história no cinema, além de curiosidades selecionadas.
    Show book
  • A finitude é uma incógnita: como encarei uma separação e tive minha vida de volta - cover

    A finitude é uma incógnita: como...

    Rose Pinheiro

    • 0
    • 0
    • 0
    A garra de uma mulher nas escolhas para superar uma separação e mudar completamente sua vida.
    Show book
  • Estudo para Concursos - cover

    Estudo para Concursos

    Ricardo Garay

    • 0
    • 0
    • 0
    Com este audiolivro você poderá se preparar melhor para prestar concusos públicos. Este audiolivro oferece técnicas e informações para preparação, a busca de resultados, um método de estudo, oferece ainda fontes de recursos e concursos, mais dezenas de dicas valiosas.
    Show book
  • Introdução a Aristóteles - cover

    Introdução a Aristóteles

    Giovanni Reale, Eliana Aguiar

    • 0
    • 0
    • 0
    Maior filósofo da Antiguidade, talvez o maior de todos os tempos, Aristóteles nasceu em Estagira, então na Macedônia, em 384/383 a.C. Ingressou muito jovem na Academia de Platão, em Atenas, e lá passou vinte anos. Viajou bastante pela Ásia Menor, educou Alexandre, o Grande, e fundou o Liceu, seguindo o modelo platônico de amizade e liberdade para os alunos, com um espaço – o perípatos – destinado a caminhadas em grupo. Estabeleceu ali um museu de história natural e uma biblioteca de mapas e manuscritos, usados em um extenso programa de pesquisas. 
    
    O platonismo é o núcleo em torno do qual se constitui a obra aristotélica. Porém, ao contrário de Platão, Aristóteles dedicou-se tanto à filosofia pura quanto às ciências empíricas, coletando e classificando informações sobre a natureza e os seres vivos. Dividiu as ciências em três ramos: as teoréticas, que buscam o saber em si mesmo; as práticas, que buscam o saber para alcançar a perfeição moral; e as poiéticas, que buscam o saber para produzir objetos. A lógica não pertence a nenhum desses ramos: mais que uma ciência, ela é o instrumento preliminar de toda ciência, pois mostra como o homem pensa. 
    
    Depois da morte de Aristóteles, em 322 a.C., sua biblioteca pessoal ficou com Neleu, que a levou para a cidade de Scepse, onde permaneceu guardada – e esquecida – durante trezentos anos. Muita coisa se perdeu, mas o que foi recuperado influenciou decisivamente o desenvolvimento da filosofia e da ciência em todos os centros em que, desde então, a alta cultura prosperou: Grécia, Roma, Alexandria, Bizâncio, o mundo islâmico, com seus inúmeros comentadores, e, finalmente, a Europa, onde o legado aristotélico foi assimilado e reinterpretado por Santo Tomás de Aquino, contribuindo decisivamente para redefinir a teologia cristã. 
    
    A importância de Aristóteles não diminuiu com o tempo: ele permanece como um grande interlocutor da filosofia contemporânea, como atesta a obra seminal de Martin Heidegger. As categorias que criou transformaram-se em conceitos básicos e moldaram a própria estrutura dos nossos modos de pensar, expressar e pesquisar. 
    
    No ordenamento atual, o corpus aristotelicum contém tratados de lógica, filosofia natural, filosofia política, psicologia, ética, biologia, física e metafísica. Todos eles são resumidos e analisados neste volume pelo filósofo italiano Giovanni Reale, importante tradutor e comentador de Aristóteles. 
    
                              César Benjamin
    Show book
  • Mídia-Multidão - cover

    Mídia-Multidão

    Ivana Bentes

    • 0
    • 1
    • 0
    Trata da comunicação pós-mídia de massas. Analisa os processos de mutação social a partir da produção audiovisual e midiática brasileira, enfatizando os novos sujeitos do discurso e sujeitos políticos. Os ensaios trazem abordagens originais sobre o midiativismo, a emergência do precariado urbano e, entre outros, fenômenos como a Mídia NINJA e os coletivos culturais. Os estudos são baseados em experiências urbanas potentes, que funcionam como laboratórios de conceitos e de políticas públicas.
    Show book
  • Revista Traço - cover

    Revista Traço

    Escola Lacaniana De Psicanálise...

    • 0
    • 0
    • 0
    A Revista Traço, produzida em 2003, ficou em estado latente, portando a história de um precioso tempo e aguardando ser resgatada como documentário de uma Escola de Psicanálise, quando se encontrava em pauta temas relevantes, ainda de grande interesse dos psicanalistas tais como “a dor de existir”, “luto e melancolia”, “final de análise”, “depressão na infância”, entre outros. Revisitar um tempo da Escola Lacaniana de Psicanálise de Vitória, em retrospectiva, por intermédio desta edição da Revista Traço, é oportunidade ímpar. 
    
    Que cada psicanalista, ao se reportar a estes textos, possa reconhecer em seus traços hoje, sinais do lugar em que se encontrava há 14 anos atrás, revendo o caminho que caminhou, por intermédio do texto próprio e em intercâmbio com letras dos seus pares, reveladoras de estilos singulares. Visitas ilustres estiveram em cena na ocasião como Marie-Claude Lambote, com conferências que contemplavam o que se estudava na Escola, falando sobre “O Discurso Melancólico”; “Depressão, Melancolia, o Luto Diferencial” e “Um modo de resolução da Melancolia – a Visada Estética”; também presente o poeta Ferreira Gullar falando sobre “A Dor e a Criação”. Na Revista Traço ainda podemos rever os espaços de Garantia da Escola e os nomes dos psicanalistas encarregados do funcionamento desses lugares, além da relação de seus Membros, em sua maioria, ainda hoje presentes e dando provas de seu compromisso com o ensino e a transmissão da psicanálise.  
    
    Assim como Freud, que não apagou os traços dos caminhos percorridos, mas acrescentou, agregou notas, generosamente deixando o trilhamento por onde prosseguia para que pudesse ser lido, assim também a Escola Lacaniana de Psicanálise de Vitória, por intermédio da Revista Traço, traz ao público uma compilação que explicita os esforços de um agrupamento de analistas que, pela insistência em transmitir a psicanálise, conseguem fazer Escola. 
    
    Maria Celeste Lima Faria Vitória (ES), junho de 2017.
    Show book