Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Jovens policiais no Rio de Janeiro - cover

Jovens policiais no Rio de Janeiro

Camila Farias

Publisher: Autografia

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Jovens Policiais foi originalmente uma dissertação de Mestrado defendida no Programa de Pós-Graduação em Serviço Social da UFRJ, em 2014. A obra busca refletir sobre as motivações para ingresso de jovens na Polícia Militar do Rio de Janeiro, a partir de concursos realizados em 2009 e 2010. E também os impactos desta escolha profissional em suas vidas, considerando suporte familiar, oportunidades de formação profissional e educacional, classe social, motivações e expectativas.

Other books that might interest you

  • Programa Emergencial para os problemas brasileiros - cover

    Programa Emergencial para os...

    Rocha Author

    • 0
    • 0
    • 0
    Este livro procura iniciar a discussão sobre quais seriam as ações para os problemas brasileiros, na ótica de que problemas do dia a dia devem ser resolvidos pela própria população residente em cada Comunidade, sendo o Governo indutor destas ações e tendo o papel de direcionar as grandes e necessárias políticas públicas, mas de uma forma descentralizada, desburocratizada e sem o papel de principal executor.
    Show book
  • Teoria das relações internacionais - Contribuições marxistas - cover

    Teoria das relações...

    Ana Prestes, Diego Pautasso

    • 0
    • 0
    • 0
    O estudo acadêmico das Relações Internacionais (RI), desde suas origens, se encontra intimamente ligado à narrativa da política de poder vigente no mundo. Há um paradigma “realista” que enfoca as relações de conflito entre os Estados como o fio condutor da vida internacional, em uma perspectiva atemporal. Outro, “liberal”, considera uma suposta dimensão sistêmica de cooperação e conexão entre atores como a linha predominante no cenário internacional. Mas os trabalhos de Marx e Engels, bem como de seus seguidores, ainda que não elaborando uma teoria específica de RI, acrescentaram um terceiro nível de preocupações: sistema econômico mundial, relações de dominação, ruptura e história. Importante observar que o materialismo histórico desenvolveu seus instrumentos analíticos fora da academia, da qual estava excluído. 
    
    É necessário destacar que a perspectiva marxista das RI não constitui uma “religião” esquerdista nem um protocolo de ação política instrumental. Sua riqueza é a de um paradigma que muito contribuirá para a compreensão da realidade, inclusive dialogando com as demais correntes. Só assim terá o merecido lugar dentro da academia. E isto é necessário não apenas como contribuição geral ao conhecimento, mas como instrumento para decifrar os vetores e desdobramentos da profunda crise que afeta o mundo desde há alguns anos. O conhecimento e a análise da realidade empírica sempre será o caminho para o avanço teórico e apoio à emancipação da sociedade. Neste sentido, de parabéns os idealizadores e autores desta obra que traz reflexões teóricas, históricas e estudos de caso específicos, com uma visão desde o Sul.
    
    Paulo Fagundes Visentini
    UFRGS
    Show book
  • Legado de uma pandemia: 26 vozes conversam sobre os aprendizados para política pública - cover

    Legado de uma pandemia: 26 vozes...

    Laura Muller Machado

    • 0
    • 2
    • 0
    Ao longo do ano de 2020, a resiliência brasileira foi sistematicamente colocada à prova. Resiliência é a capacidade de lidar construtivamente com adversidades. Requer compreender a natureza da adversidade, adaptar-se para mitigar seus efeitos e aprender com as ações tomadas e com os resultados alcançados. A sociedade brasileira buscou entender o que estava acontecendo e se adaptar. Sai mais sábia de tudo isso. Livros foram e serão escritos sobre o que aconteceu; sobre como o Brasil buscou se adaptar; sobre seus erros e acertos. Uma análise do que aconteceu, em si, no entanto, não é o objetivo deste volume. Nosso foco é o que aprendemos com o que aconteceu; se saímos mais sábios e o que vamos fazer diferente no futuro. Para explicar o que aprendemos e como esses aprendizados mudaram ou estão mudando o Brasil, convidamos 26 ilustres colaboradores. Suas reflexões estão organizadas nos dezessete capítulos que formam este livro.
    Show book
  • Os Direitos do Motorista - cover

    Os Direitos do Motorista

    Luiz Augusto Flores

    • 0
    • 0
    • 0
    Disponibilizamos o livro digital ilustrado colorido de história em quadrinhos ”Os Direitos do Motorista”, cujo conteúdo foi editado com base na Lei Federal nº 13.103 de 02 de março de 2.015 e lei correlatas, também chamada lei do estatuto do motorista profissional. Transformados os termos jurídicos para linguagem simples, de fácil entendimento e leitura, apresentando seu conteúdo de leitura nos balões de diálogo entre o personagem um motorista e o personagem o jornalista da editora, que esclarece tudo sobre o estatuto do motorista.
    Show book
  • Soberania Popular e Razão Política - Um confronto entre Habermas, Rawls e Taylor - cover

    Soberania Popular e Razão...

    Onelio Trucco

    • 1
    • 12
    • 0
    La cuestión en torno a la constitución de la soberanía origina, creemos, tres preguntas acerca el uso legítimo del poder: quién, cómo y por qué. Nos parece que en torno a estas tres preguntas, en una trama de diferenciaciones y matices que forman una red dispersa, se continúan articulando las respuestas de las diversas posiciones que en filosofía política intentan componer la diversidad con la unidad. La idea de democracia moderna nace con una sospecha sobre su viabilidad. Rousseau es el primero que formula esa precaución como problema central, Hegell la refina y Marx la radicaliza. Desde entonces deviene una sucesión de interrogantes que perduran hasta la actualidad. En este libro intentamos desarrollar una articulación de esas cuestiones en la actualidad, teniendo como centro la noción de soberanía popular, mediante la confrontación de tres posiciones acerca la democracia y la razón política. Esas tres posiciones son las de J. Habermas, J. Rawls y Ch. Taylor.
    Show book
  • A era da intolerância - O início do século XXI e o desafio da sociedade democrática - cover

    A era da intolerância - O início...

    Thales Guaracy

    • 0
    • 0
    • 0
    Em A era da intolerância, o jornalista, cientista social e escritor Thales Guaracy põe em perspectiva a história do início do século XXI, do atentado às Torres Gêmeas, em Nova York, à pandemia do coronavírus: duas décadas que marcam o fim do capitalismo industrial e o surgimento do capitalismo tecnológico e da Sociedade da Informação, com seus avanços, incertezas e conflitos.
    Usando como fio condutor os acontecimentos econômicos, políticos e sociais, marcados por uma grande revolução tecnológica, Guaracy nos leva a uma análise profunda dos desafios do mundo contemporâneo. A mesma liberdade que expandiu a democracia pelo globo – e permitiu grandes avanços na economia e no comportamento – deu impulso ao desemprego em massa e à exclusão social. Paradoxalmente, a tecnologia ajudou a expandir fenômenos supostamente arcaicos, como o fundamentalismo religioso, o radicalismo político, a xenofobia e as rivalidades nacionais, que se imaginava extintas após o fim da Guerra Fria. 
    
    A era da intolerância expõe como o globalismo, levado um passo adiante com a revolução tecnológica, gerou riqueza – e também um cenário de conflitos e medo, catapultando a intolerância, que encontrou no meio digital, segundo as palavras do autor, o “ambiente ideal para prosperar”. 
    Tendo em vista a superpopulação, a ameaça climática e a crise surgida com a mudança estrutural da economia, A era da intolerância aponta o grande desafio dos sistemas democráticos: resgatar sua promessa de entregar uma vida melhor para todos, diminuindo o estresse social. E vencer as forças demagógicas ou autoritárias que levam a conflitos com poder destrutivo de alcance apocalíptico.
    História da inseminação do passado no presente, ou ensaio sobre o equilíbrio orgânico da civilização, A era da intolerância afirma o princípio de que somente a liberdade pode resolver os problemas criados pela própria liberdade. E resulta numa obra para figurar não apenas na galeria das grandes reportagens históricas, como também entre os ensaios essenciais à criação de soluções para a sociedade de hoje e de todos os tempos.
    Show book