Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Histórias da Meia-Noite - cover

Histórias da Meia-Noite

Assis Machado de

Publisher: Vermelho Marinho

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Histórias da meia-noite, publicada em 1873, é asegunda coletânea de narrativas curtas de Machado de Assis. O autor adverte no início que não tem maiores pretensões do que ocupar o tempo livre do leitor. Os seis contos mostram com humor os costumes da sociedade, as relações de amor, o ciúme, a preparação de uma festa de casamento, a escolha dos bons partidos, a ilusão de um homem que se acredita mais do que é, terminando com um conto epistolar entre duas irmãs falando de seus amores. Machado mostra neste livro o humor que caracterizaria sua obra aliada a uma crítica mordaz à sociedade e suas regras e costumes, com finais inesperados, como só um talentoso contador de histórias consegue criar.

Other books that might interest you

  • Iracema - cover

    Iracema

    José de Alencar

    • 0
    • 0
    • 0
    Iracema é uma das personagens mais conhecidas da literatura brasileira. Obra fundamental de José de Alencar, do período indianista, conta o encontro da bela índia, filha do Pajé Araquém, que encontra e se apaixona por Martim, o colonizador português. Encantando a todos, Iracema detém o segredo de Jurema, que a faz se manter virgem. Seu amor será disputado e o livro narra as disputas entre tribos inimigas no início da história da colonização brasileira.  José de Alencar consegue nesta obra transmitir o pensamento e a forma de agir dos índios sem se utilizar de termos ou expressões em língua indígena, tornando a obra fluida e rápida de ler, o que a transformou num clássico da literatura brasileira.
    Show book
  • Lisboa no Ano 2000 - cover

    Lisboa no Ano 2000

    Melo De Matos

    • 0
    • 2
    • 0
    De bom grado olhamos para o passado de Portugal. Com prazer rememoramos as épocas gloriosas da nossa história e até às vezes aquelas em que o oiro do Brasil alimentava as nossas vaidades sem alentar nem a nossa indústria, nem a nossa agricultura. Admiramos os heróis da história pátria, extasiamo-nos perante a largueza de vistas de Afonso de Albuquerque ou do Marquês de Pombal, mas não nos atrevemos a encarar de frente o que o futuro pode reservar para o nosso país. Se algum estadista nosso quis ter iniciativa, quis obrigar-nos a caminhar como as outras nações, ou passou por visionário ou foi taxado de aventureiro. Apontar nomes seria reforçar a nossa asserção, mas ainda se pode dizer que estão quentes as cinzas de alguns, não apagadas as paixões provocadas pelas ideias de outros e por isso mais vale seguir o conselho do Dante: ma guarda e passa e embarcarmo-nos no batel doirado da fantasia, para vivermos a Lisboa que deveríamos ter daqui por vinte anos, que é forçoso que tenhamos até antes dessa época, sob pena de darmos razão à profecia de um estadista inglês, cujo nome também não citaremos. Chamamos-lhe Lisboa no ano 2000; mas, se progredirmos a valer e como devemos, dentro de 96 anos teremos ultrapassado tudo quanto fantasiamos aqui.
    Show book
  • Macunaíma - cover

    Macunaíma

    Mário de Andrade

    • 0
    • 0
    • 0
    Macunaíma, o herói sem nenhum caráter é um canto vazado na língua portuguesa falada em nosso país. A saga de Macunaíma – Imperador do Mato – começa quando ele perde sua muiraquitã, um amuleto de pedra que havia ganhado de Ci, a Mãe do Mato. Acompanhado de seus irmãos Maanape e Jiguê, o herói viaja para o Sul em busca do amuleto, que estava em poder do fazendeiro peruano Venceslau Pietro Pietra. Encantado com a "civilização moderna", Macunaíma, de certa forma, se vê dividido entre seu reino e as maravilhas de "São Paulo, a maior cidade do universo". Verdadeiro marco do modernismo brasileiro e uma das narrativas mais singulares de nossa literatura, Macunaíma, foi publicado originalmente em 1928. O autor potencializa o uso literário da linguagem oral e popular e mistura folclore, lendas, mitos e manifestações religiosas de vários recantos do Brasil.
    Show book
  • Verso e reverso - cover

    Verso e reverso

    José de Alencar

    • 0
    • 0
    • 0
    Encenada pela primeira vez, em 1857, no Teatro do Ginásio Dramático, O Rio de Janeiro - Verso e Reverso marca a estreia de José de Alencar como autor de peças teatrais, revelando um lado menos conhecido do expoente representante do Romantismo do século 19. 
    Trata-se uma comédia em dois atos, que mostra o olhar analítico e crítico de um jovem estudante paulista, Ernesto, sobre a então capital imperial brasileira, Rio de Janeiro, local escolhido por ele para passar férias.
    É como romancista que José Martiniano de Alencar (1829-1877) é lembrado até os dias de hoje. No entanto, o autor também foi dramaturgo, folhetinista, jornalista, advogado e político, deixando entre a sua produção escrita, além de romances, crônicas, textos autobiográficos e críticas literárias. O Demônio Familiar, O Crédito e As Asas de um Anjo são outras peças também escritas pelo autor.
    Show book
  • O Marido da Adúltera - cover

    O Marido da Adúltera

    Lúcio Mendonça

    • 0
    • 0
    • 0
    Publicado em 1882, esse romance epistolar de Lúcio de Mendonça aborda o tema do adultério, assunto recorrente na literatura brasileira na segunda metade do século XIX. Propõe uma visão singular. Ao invés do marido matar a mulher que o trai, a única saída seria ele se suicidar, pois o rastro da traição o perseguiria se continuasse vivo.
    Show book
  • Tapa na bunda - cover

    Tapa na bunda

    Denise Dias

    • 0
    • 2
    • 0
    Para todos aqueles que querem educar seus filhos, mas têm dúvidas de como impor limites, nestes
    tempos cheios da vigilância do politicamente correto. A autora mostra que existe uma divisão
    clara entre violência e respeito, entre agressão e impor autoridade e disciplina.
    Show book