Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
A mulher de preto - cover

A mulher de preto

Machado de Assis Machado de

Publisher: Litteris

  • 0
  • 1
  • 0

Summary

' A cor preta ia-lhe muito bem.Estevão contemplava aquela figura com amor e adoração. Ouvia-a falar e sentia-se encantado e dominado por um sentimento que não podia explicar.Era um misto de amor e de receio'

Other books that might interest you

  • Somos todos cúmplices - cover

    Somos todos cúmplices

    Patrícia Rezende

    • 0
    • 0
    • 0
    Em seu primeiro livro de contos, Patrícia Almeida de Rezende se dedica a narrar os tantos casos de mulheres que, por algum motivo, têm sua vida engessada, em cada conto protagonizando uma Ana diferente que, de certa forma, se assemelha à Ana do conto anterior, como se estivéssemos em um emaranhado de personalidades múltiplas presas dentro de um único nome. Com uma narrativa que parece uma “bandeira agitada ao sabor dos ventos”, o intrigante livro de contos de Patrícia, Somos todos cúmplices coloca-nos como voyeurs no meio de mentiras e intrigas, situações de conflito e uma sensação de poeira grudada na pele, como verdadeiros cúmplices, pois cada mulher, cada Ana, é mesmo “um lugar na nuvem, inexistente no mapa geográfico” que luta – a cada página virada – para ser ouvida.
    Show book
  • O Anatomista - e outros contos - cover

    O Anatomista - e outros contos

    Adir ben Kauss

    • 0
    • 1
    • 0
    'O anatomista', segundo livro de Adir ben Kauss, reúne 30 histórias que transitam pelos desamores e esperanças de homens e mulheres comuns, com quem, sem perceber, cruzamos nas grandes cidades, e que, por vezes, são protagonistas de dramas urbanos.O autor se utiliza de técnicas narrativas para uma construção ficcional realista, também impregnada de um certo expressionismo literário. As histórias circulam pelo universo dos desencontros, das frágeis e intensas relações que configuram o sentido trágico da existência.O conto que dá título ao livro contém uma tentativa insana do protagonista de mudar o curso da vida e da morte como sua consequência natural.Não é um livro sombrio e amargo. Ao contrário. Seus personagens caminham destemidos no sentido de viver como sujeitos e não objetos de suas próprias existências, tendo consciência do direito de escolherem os seus destinos, mesmo sabendo do seu final trágico – a morte a que todos estamos condenados.Assim, é possível observar nos personagens das histórias contadas uma certa dose de luz representada pela crença na aventura humana.
    Show book
  • Pausa - 25 Contos de Moacyr Scliar - cover

    Pausa - 25 Contos de Moacyr Scliar

    Moacyr Scliar

    • 0
    • 0
    • 0
    Um homem busca espaço para apoiar seu cotovelo ao lado de uma mulher gorda no avião. O amor do ventríloquo se expressa pelas vozes dos seres inanimados. A vaca é transfigurada em fonte de alimento, de sonho, de desejo. Moacyr Scliar surpreende até quando se propõe a ser simples, como a saída que encontra para vencer o estresse no conto Pausa, ou quando conta sem floreios o que faz um corretor de imóveis para vender um apartamento de cobertura.Sua matéria-prima é o que sabemos e o que não queremos saber da vida. Suas ferramentas são o insólito e o surpreendente. Ler Moacyr Scliar estimula a curiosidade, dá medo, faz rir, arrepia, chega a desafiar a inteireza do estômago, o ritmo da respiração. Ao final, a arte se recompõe, nos afeiçoamos à mais estranha das criaturas, acostumamos com os mais indigestos rituais, nos apaziguamos diante das cruezas humanas e aceitamos que Moacyr tinha razão: o ser humano é mesmo esquisito.Em meio aos contos reunidos neste audiolivro há também a fantasia, que cresce desmesuradamente em No Seio de Abraão, e o delicado lirismo da história do ventríloquo que não consegue expressar o seu amor.Outros contos, como O Tio Pródigo, Escalpe, Bandido, O Candidato, Comendo Papel e Uma Vaga vão fundo na vileza, no desejo desenfreado, na capacidade de engendrar caminhos obscuros do ser humano. Também o olhar e o humor juvenis aparecem afiados em O Dia em que Matamos James Cagney, O Índio, Um Mentiroso, Aquele Velho e Ressurreição.
    Show book
  • Gente do verão Parte 1: Solbjørg – Conto Erótico - cover

    Gente do verão Parte 1: Solbjørg...

    Ane-Marie Kjeldberg

    • 0
    • 0
    • 0
    A bailarina Solbjørg Viig tem agora quase 40 anos e, assim, chegou ao fim de sua carreira como dançarina solo. Ela e seu marido, o pastor comunitário Ulf, foram para a casa de praia no Mar do Norte para comemorar o início de uma nova fase da vida, em que a tranquila vida familiar deveria estar no centro. Mas Ulf é distante e contido, e Solbjørg se sente infeliz. Quando ela se machuca na praia, ela encontra o médico Jens Svart, e lentamente fica claro para ela que o amor pode ser algo completamente diferente e muito mais agradável do que o que ela conheceu antes.Nas belas casas de verão herdadas em Grå Klit, os moradores respiram os aromas do Mar do Norte e aproveitam o sol, como as famílias fazem há gerações. Mas estamos no final dos anos 1960 e há inquietação e uma liberdade desconhecida no ar, e tensões inesperadas surgem. O poder transformador do erotismo é irresistível, e a vida das pessoas no verão segue caminhos totalmente novos: novas formas de sexo, novos relacionamentos amorosos e mudanças de caminhos da vida."Gente do Verão" é uma série erótica de seis episódios.
    Show book
  • A Vida é um sorvete derretido - cover

    A Vida é um sorvete derretido

    Flávio Sanso

    • 0
    • 0
    • 0
    O livro ‘A vida é um sorvete derretido’, composto por 56 crônicas de Flávio Sanso, é uma tentativa de refrescar-se, um pequeno deleite em meio ao cotidiano, um ponto de alívio sobre a contemplação de um punhado de possibilidades sobre os rumos urbanos, esse bailado aleatório. As histórias delicadamente contadas são atalhos no tempo, e nós somos puxados como em um “barbante imaginário”, podendo olhar sem demora, degustando “prazer e percalços, euforia e incômodo” como quem se delicia com um sorvete na orla da praia. Transeuntes, vendedores, mães, filhas, passageiros de ônibus, casais, músicos, a tecnologia diária, os cachorros... O invisível se torna protagonista nas esquinas da vida, nos contornos das ruas, nas calçadas que se vão, os meandros do urbano e o cotidiano, visto com acalento e “resistência à decrepitude”. ?Flávio Sanso, cronista que já coleciona alguns prêmios, é um observador refinado, um “espião fajuto”, uma espécie de colecionador de curiosidades, que se mantém em movimento, porém numa “contemplação acanhada”. Ao fim de suas pequenas viagens, ele nos presenteia com sabores, entre fôlegos e alívios. A obra é um apanhado “encantadamente peculiar”, algo que se agita, “quer sair, ganhar o mundo, propagar-se por grandes distâncias”, ou talvez só “um olhar distraído para o lado e pronto”.
    Show book
  • Fazendo a imaginação voar - cover

    Fazendo a imaginação voar

    Luciani Brazolim

    • 0
    • 0
    • 0
    Contos curtos para crianças recheadas de humor e leveza.
    Show book