Discover a world full of books!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Read online the first chapters of this book!
All characters reduced
Tempo e espaço nos manguezais - cover

Tempo e espaço nos manguezais

Arthur Soffiati

Publisher: Autografia

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

\"Tempo e espaço nos Manguezais\" reúne ensaios de eco-história que o autor escreveu e publicou durante quinze anos em revistas especializadas. Alguns deles são inéditos e todos versam sobre as relações das antropossociedades com o ecossistema manguezal no Brasil. Os artigos não invadem as ciências da natureza, mas as tangenciam porque a eco-história se situa na fronteira das ciências sociais com a natureza. Há duas linhas transversais que os unem: um sólido enfoque ecossistêmico e a abordagem diacrônica, comum a todas as ciências que distendem seus respectivos objetos no tempo, como a cosmologia, a paleontologia e a história.

Other books that might interest you

  • Moda música & sentimento - cover

    Moda música & sentimento

    Rafaela Norogrando

    • 0
    • 0
    • 0
    O livro MODA, MÙSICA e SENTIMENTO apresenta o universo identitário de distintas manifestações culturais marcadas pela relação entre gênero musical e indumentária. Neste contexto, aspectos históricos, étnicos e comportamentais característicos de determinadas expressões artísticas fundem-se em uma visão complementar sobre algumas práticas em diferentes territórios. A moda é abordada por uma significação ampla, traduzida através de diferentes linguagens indumentárias. A música atua como instrumento catalizador de ações socioculturais, vinculada a períodos históricos e regionalismos. Com uma abordagem apoiada na construção cultural como reflexo de emoções, relações sociais e pessoais, o livro apresenta algumas perspectivas sobre o tema através do contributo de diversos autores.
    Show book
  • O ICMS nos Tribunais Superiores - cover

    O ICMS nos Tribunais Superiores

    José Jayme De Macêdo Oliveira

    • 0
    • 0
    • 0
    O trabalho de investigação da jurisprudência, meticuloso e sistemático, desenvolvido por JOSÉ JAYME 
    DE MACÊDO OLIVEIRA, resultou em um verdadeiro curso de Direito Tributário aplicado, em que o ICMS aparece como pano de fundo. O fruto da compilação dos acórdãos exarados pelo Superior Tribunal de Justiça e pelo Supremo Tribunal Federal revela a complexidade do tema, assim 
    como comprova a dificuldade com que os órgãos de deliberação administrativa e os tribunais de todos os níveis lidam com esse imposto.
    Show book
  • Os adoráveis trapalhões - cover

    Os adoráveis trapalhões

    Paulo Franco, Luis Joly

    • 0
    • 1
    • 0
    ô psit, esta obra não é dirigida somente aos fãs do grupo, àqueles que tiveram a oportunidade de assistir ao quarteto em seu auge. Qualquer aficionado do bom humor ou interessado na história da nossa TV deve passar por estas páginas. Os Trapalhões significaram quatro décadas na televisão e no cinema, encantando crianças e adultos, que riram com seu humor genuinamente simples, bem-feito e com a cara do Brasil. Neste livro, você terá a oportunidade de acompanhar o nascimento do quarteto, a história da primeira formação, ainda na TV Excelsior. As mudanças no elenco até a consagração na Globo. Verá, também, os bastidores da polêmica separação, em 1983, e saberá como foi o fim do grupo, poucos anos depois. Capítulos extras trazem ainda um pouco da história no cinema, além de curiosidades selecionadas.
    Show book
  • Fábulas volume 2 - cover

    Fábulas volume 2

    Aesop Aesop

    • 0
    • 0
    • 0
    Esopo é um lendário autor grego, que teria vivido na Antigüidade, ao qual se atribui a paternidade da fábula como gênero literário.As Fábulas de Esopo serviram como base para recriações de outros escritores ao longo dos séculos, como Fedro e La Fontaine.Fabulista grego do século VI a.C.. O local de seu nascimento é incerto — Trácia, Frígia, Etiópia, Samos, e Sardes todas clamam a honra. Eventualmente morreu em Delfos. Na verdade, todos os dados referentes a Esopo são discutíveis e trata-se mais de um personagem lendário do que histórico.A única certeza é que as fábulas a ele atribuídas foram reunidas pela primeira vez por Demétrio de Falero, em 325 a.C.. 
     
    Esopo teria sido um escravo, que foi libertado pelo seu dono, que ficou encantado com suas fábulas. Ao que tudo indica, viajou pelo mundo antigo e conheceu o Egito, a Babilónia e o Oriente. Concretamente, não há indícios seguros de que tenha escrito qualquer coisa. 
     
    Entretanto, foi-lhe atribuído um conjunto de pequenas histórias, de carácter moral e alegórico, cujos papéis principais eram desenvolvidos por animais. Na Atenas do século V a.C., essas fábulas eram conhecidas e apreciadas. 
     
    As fábulas que lhe são atribuídas sugerem normas de conduta que são exemplificadas pela ação dos animais (mas também de homens, deuses e mesmo coisas inanimadas). Esopo partia da cultura popular para compor seus escritos. Os seus animais falam, cometem erros, são sábios ou tolos, maus ou bons, exatamente como os homens. A intenção de Esopo, em suas fábulas, era mostrar como os seres humanos podiam agir, para bem ou para mal.Assim como Homero, as fábulas de Esopo faziam parte da tradição oral dos gregos, por isso não foram escritas pelo seu suposto autor. Mais de duzentos anos depois da suposta morte de Esopo é que as fábulas foram reunidas e escritas. 
     
    (Adaptado da wikipedia por Vicente)
    Show book
  • Eficiência e Prisões Cautelares - cover

    Eficiência e Prisões Cautelares

    Miguel Tedesco Wedy

    • 0
    • 0
    • 0
    Tais prisões devem continuar a ser repelidas num contexto democrático, pois fomentam autênticas perversões contra a intimidade, contra o “nemo tenetur se detegere”, contra o direito ao silêncio, contra a liberdade e, não se pode negar, contra a moralidade, que deve caracterizar as ações do Estado. Aliás, qual a moral de uma sociedade em que o Estado, para perseguir os delitos, os instiga e induz? Qual a moral de uma sociedade em que o Estado faz da violação da confiança um método de investigação? Qual a moral de uma sociedade em que o Estado, que combate delitos, instiga os seus próprios agentes a praticarem um delito para perseguir  pretensos  criminosos?
    Show book
  • Viver em áreas de risco - Reflexões sobre vulnerabilidades socioambientais - cover

    Viver em áreas de risco -...

    Mary Jane Paris Spink

    • 0
    • 0
    • 0
    O direito à moradia
    
    A contraposição entre o direito à moradia e a preservação dos mananciais, a dinâmica perversa da expansão urbana no município de São Paulo, a prevenção de desastres em regiões vulneráveis do ponto de vista socioambiental, a controvérsia sobre definições de risco: são muitos os temas e muitas as disciplinas que se cruzam neste livro, que resulta de pesquisa sobre moradias em áreas de risco no Jardim Ângela e Jardim São Luís, Prefeitura Regional de M’Boi Mirim, em São Paulo, realizada com apoio do CNPq.
    
    Muitos actantes não humanos (como córregos, deslizamentos de terra e obras) são protagonistas neste livro. Eles se somam às vozes de moradores, administradores, participantes de associações como a Sociedade Santos Mártires, pesquisadores e alunos de mestrado e doutorado, cidadãos de distintas procedências teóricas e políticas e ativistas que ajudaram a construir a narrativa, na qual diversas óticas se misturam e temas de cunho mais teórico recebem um colorido especial por meio de estudos de casos.
    
    Mary Jane Paris Spink é professora titular da PUC-SP, onde coordena o Núcleo de Pesquisas sobre Práticas Discursivas no Cotidiano: Direitos, Riscos e Saúde. Desde a conclusão de sua pós-graduação em psicologia social na Universidade de Londres, em 1982, atua em projetos e pesquisas de intervenção que têm o cotidiano como lócus de investimentos intelectuais, éticos e políticos. Como docente, orientou alunos de iniciação científica, mestrado e doutorado, colaborando na formação de profissionais que atuam hoje em diferentes regiões do Brasil e em outros países.
    Show book