Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Corvos cobras chacais - cover

Corvos cobras chacais

António Carlos Cortez

Publisher: Jaguatirica

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

'Corvos Cobras Chacais' nasceu de uma sequência alargada de poemas em prosa e constituiu um capítulo participante da antologia 'A dor concreta' (ed. Tinta da China) do poeta António Carlos Cortez, em uma prévia de um livro futuro, este que agora se nos apresenta. Bem reconhece Pedro Mexia quando diz que 'depois de Daniel Faria não houve na poesia mais recente em Portugal quem arriscasse em construir um tom elevado e ao mesmo tempo realista e concreto, algo em que Cortez é exímio'. Em 'Corvos Cobras Chacais', Cortez maneja a forma poética para falar de uma forma inesquecível, indelével, daquilo que mais nos assombra: da crueldade da vida e da passividade dos homens.
Available since: 08/23/2019.

Other books that might interest you

  • Também guardamos pedras aqui - cover

    Também guardamos pedras aqui

    Luiza Romão

    • 0
    • 0
    • 0
    Em "Também guardamos pedras aqui", a poeta, atriz e slammer Luiza Romão retoma a Ilíada, de Homero, e a relê à luz do tempo presente. Os poemas reunidos neste livro se voltam para a Guerra de Tróia e seus célebres personagens, recontando o evento e subvertendo a versão grega imortalizada na obra homérica. Ao demonstrar como "a literatura ocidental começou com um massacre", o livro traça interessantes paralelos com os nossos dias.
    Show book
  • Janelas - cover

    Janelas

    Flávia Apocalipse

    • 0
    • 0
    • 0
    'Dentro de mim, só mar revolto. Flávia Apocalypse, carioca, formada em Direito eJornalismo, gerente de comunicação interna de uma grande empresa, é discreta, tímida até, e simplifica assim a vida que a fascina: café com leite, vitamina C, mesa de trabalho, cafezinho,almoço, Coca-cola, trânsito, sala de jantar, revistas, travesseiro de fronha branca. Tudo corrimão pra que eu possa me segurar.Em seu livro de estreia, a poeta ausculta em si mesma as noites mais escuras, a vida que não passa de um jogo de sombras, onde ela se perde e se acha e se espanta. Segundo a poeta Thereza Christina Roque da Mota, “Flávia tem a voz de Adélia Prado que fala do dia e da noite, da sofreguidão das almas que se aquietam para uma manhã mais longa, uma noite que não acaba”.Como criança, Flávia experimenta a poesia iniciática do choro do perdão. O indecifrável do armário que ela não abre para ninguém. Tudo que se oculta sob as roupas, a lama, a angústia e o pudor.Com o livro, a poeta, conciliando sua vida de profissional, mãe e mulher, empresta a voz de Adelia, faz emergir a própria voz , abre as janelas e convida seus leitores a fazerem o mesmoÉ o primeiro livro de poesias do autor que já publicou dois romances,  livro de contos, ensaios, e centenas de artigos científicos.  Como o titulo induz, os poemas parecem uma livre associação de ideias e imagens. Mas ao ser lido com um pouco de atenção, mostra um escritor maduro, cosmopolita que escolhe cuidadosamente cada palavra como diz no primeiro poema do livro: Ai da minha poesia se não fosse eu! / Provavelmente morreria à míngua| Combalida, desmilinguida. | Coitada se dela não cuidasse o degas, | Pessoalmente. | Mas, pai zeloso,| Afago-a, terno, | E a curo, | Mertiolate e tudo, | Nunca descuro. | Se dela falam mal, | Desconjuro!'
    Show book
  • Herói do mar - cover

    Herói do mar

    Ester Vaz

    • 0
    • 0
    • 0
    "O livro 'Herói do Mar' assinala a estreia literária da escritora Ester Vaz. Um poema longo, ao modo épico, evoca o primeiro verso do hino 'A portuguesa', em representação ao país, sua história e sua arte greco-romana: "Heróis do mar, nobre povo / Nação valente, imortal / Levantai hoje de novo / O esplendor de Portugal!". Na escrita de Ester, traça-se um poema que não pede permissão para nos envolver, como um mergulho no mar, onde o leitor baila com as vagas, nas idas e vindas de um relacionamento, que semelha ao baloiço do mar. Por ora é suave, e por vezes mostra sua face cruel. A poeta entrelaça o leitor em seus tentáculos, num texto corrido, único, monolítico, feito o oceano – imenso, inescapável. Neste mergulho do destino, o amor abandonado chega à tona apenas para recuperar o fôlego e voltar a submergir."
    Show book
  • Estado de acédia - cover

    Estado de acédia

    Gregorio Muelas Bermúdez

    • 0
    • 0
    • 0
    ‘Estado de acédia’ faz eco da sensação de agrura que produz um mundo infestado de desigualdades e injustiças e onde abundam os sentimentos de nostalgia e de melancolia. Os poemas aqui reunidos partilham, pois, uma mesma vocação de crítica social, mas através dum olhar culturalista, porque a poesia é uma arma carregada de esperança. Esta nova obra de Gregorio Muelas apaga limites em todos os sentidos. No da tradição poética, ao não romper com o passado e assumir registos diferentes, no formal [...], mas também na fusão dos conteúdos. Assim, encontramos Antonio Machado (evocado no título de Caminhos sobre o mar) para negar as fronteiras marinhas e territoriais; voltamos à herança cultural grega (O sonho de Ítaca) para mostrar-nos a tragédia da imigração; e o leitor avisado notará a presença tácita de Anna Ajmátova (Casas de Fontaka), que foi testemunha do assédio alemão na janela da sua residência numa dessas casas junto ao canal do Neva em Leninegrado.
    Show book
  • Fanta Groselha - cover

    Fanta Groselha

    Makena Onjerika

    • 0
    • 0
    • 0
    Fanta Groselha  é um retrato sombrio dos sem-abrigo e da vida dos meninos de rua em Nairobi. O conto centra-se em Meri, cuja história é contada por um coro de narradoras sem rosto e sem nome que são também suas consortes. Navegam pela vida sem rumo certo a pedir esmolas, a roubar aos peões, a esquivar-se às autoridades, a venderem o corpo. 
    Fanta Groselha é um conto cativante pela sua coragem, humor e inventividade linguística. O seu forte sentido de lugar faz com que seja uma experiência de leitura imersiva e gratificante.
    Show book
  • O Alienista - cover

    O Alienista

    Machado de Assis

    • 0
    • 0
    • 0
    A vila de Itaguaí jamais foi a mesma depois que Simão Bacamarte fez esta declaração a Sua Majestade. Embrenhado pelos fios tênues que separam a loucura da sanidade e amparado pelo poder político e social que a alcunha de “Dr.” lhe confere, Bacamarte se depara com as virtudes e fraquezas humanas da sociedade itaguaiense; um espelho, em menor ou maior grau de qualquer outra sociedade - Já que formada por seres humanos. Cada personagem, cidadãos ilustres da pequena vila, têm suas particularidades intrínsecas dissecadas, nas artimanhas mentais, melindres psíquicos e nos atos coletivos que respondem ao agir do poder público na cidade. Lúcido ou louco? Médico ou monstro? Só o cientista poderá responder, sobre os outros, ou melhor ainda, sobre si mesmo.
    Show book