The perfect plan for booklovers!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Causas da Decadência dos Povos Peninsulares - cover

Causas da Decadência dos Povos Peninsulares

Antero De Quental

Publisher: Projecto Adamastor

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

«Meus Senhores: A decadência dos povos da Península nos três últimos séculos é um dos factos mais incontestáveis, mais evidentes da nossa história: pode até dizer-se que essa decadência, seguindo-se quase sem transição a um período de força gloriosa e de rica originalidade, é o único grande facto evidente e incontestável que nessa história aparece aos olhos do historiador filósofo. Como peninsular, sinto profundamente ter de afirmar, numa assembleia de peninsulares, esta desalentadora evidência. Mas, se não reconhecermos e confessarmos francamente os nossos erros passados, como poderemos aspirar a uma emenda sincera e definitiva? O pecador humilha-se diante do seu Deus, num sentido acto de contrição, e só assim é perdoado. Façamos nós também, diante do espírito de verdade, o acto de contrição pelos nossos pecados históricos, porque só assim nos poderemos emendar e regenerar.»Antero de Quental

Other books that might interest you

  • Frei Luiz De Sousa - cover

    Frei Luiz De Sousa

    Almeida Carrett

    • 1
    • 0
    • 0
    Frei Luís de Sousa é um drama em três atos de Almeida Garrett, estreado em 1843 e publicado em 1844, baseado livremente na vida de Frei Luís de Sousa, nome adotado pelo frade Manuel de Sousa Coutinho. Esta obra retrata a vida de Manuel Luís de Sousa Coutinho e da sua esposa D. Madalena de Vilhena, uma mulher muito supersticiosa, que acredita que qualquer sinal que achasse fora do normal era uma chamada de atenção para acções futuras, um presságio.
    Show book
  • Manifesto Anti-Dantas E Por Extenso - cover

    Manifesto Anti-Dantas E Por Extenso

    José De Almada Negreiros

    • 0
    • 4
    • 0
    O Manifesto Anti-Dantas e por extenso é um texto da autoria de José de Almada Negreiros, publicado em 1915 por ocasião da estreia da peça de teatro Soror Mariana Alcoforado de Júlio Dantas. Em 1915 foi publicado o segundo número da Revista Orpheu, marco inicial do Modernismo em Portugal, onde participaram nomes como Fernando Pessoa, Mário de Sá-Carneiro, Santa-Rita Pintor e Armando Côrtes-Rodrigues. Todavia, a sua novidade, o seu arrojo, a sua ousadia tanto na produção literária como pictórica, causou escândalo junto da burguesia lisboeta conservadora. Entre os muitos opositores ao movimento estava o médico e escritor Júlio Dantas, cuja crítica aos vanguardistas foi feroz. Através deste manifesto, Almada reagia publicamente, utilizando Júlio Dantas como símbolo das posições mais retrógradas.
    Show book
  • Dispersão - cover

    Dispersão

    Mário de Sá-Carneiro

    • 1
    • 2
    • 0
    Esta obra é composta por doze poemas e a sua primeira edição foi revista quer pelo autor, Mário de Sá-Carneiro, quer pelo seu grande amigo, e também poeta, Fernando Pessoa.
    Show book
  • Vila Rica - cover

    Vila Rica

    Claudio Manuel Da Costa

    • 0
    • 0
    • 0
    Vila Rica é um poema épico escrito pelo poeta brasileiro Cláudio Manuel da Costa em 1773 que exalta fatos ocorridos na inconfidência mineira e também osbandeirantes que fundaram diversas cidades em Minas Gerais. Narra, em versos, a história de fundação de Minas Gerais, que se dá com a viagem de Antônio Albuquerque Coelho de Carvalho às Minas Gerais, no início do século XVIII, resolvendo o conflito da Guerra dos Emboabas. O poema possui dez cantos e usa versosdecassílabos com rimas emparelhadas. É considerado o marco inicial do Arcadismo no Brasil
    Show book
  • Novelas Do Minho - cover

    Novelas Do Minho

    Camilo Castelo Branco

    • 0
    • 4
    • 0
    Novelas do Minho é o título dado por Camilo Castelo Branco a um conjunto de oito novelas suas, influenciadas sabrina situam-se na sua quase totalidade no Minho (norte de Portugal).
    Show book
  • As Minas de Salomão - cover

    As Minas de Salomão

    Henry Rider Haggard

    • 4
    • 6
    • 0
    As Minas de Salomão tem um lugar peculiar na literatura porque a tradução de Eça de Queiroz para a língua portuguesa ficou mais famosa do que o original em inglês. Trata-se de uma clássica história de aventuras do século XIX, quando a África era um mundo distante e selvagem, com os mistérios e perigos do improvável reino dos Kakuanas. A narração moderna, límpida e veloz, em grande parte devida ao tradutor genial, torna a leitura cativante ainda hoje, mais de um século depois. A propósito, na "Introdução" do suposto narrador Quartelmar, há uma observação, que se deve por certo ao tradutor: "Lança aguda não precisa brilho, diz um provérbio dos kakuanas: e, movido por este conselho da sabedoria negra, arrisco-me a apresentar a minha história, núa, lisa, nas suas linhas verdadeiras, sem lhe pendurar por cima, para a tornar mais vistosa, os dourados galões da Eloqüência." A ausência desses galões pesados garante leveza e graça ao texto, e explica o fascínio perene desta extraordinária tradução para os novos leitores.
    Show book