Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
A Volta - cover

A Volta

Ananita Rebouças

Publisher: Litteris

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

“A Volta” é o encontro da palavra e dossentimentos, uma catarse de vida feita de maneiraverdadeira e apaixonante, pois carrega todas asverdades que são possíveis de sentir.Cada poesia nos faz entender melhor o nosso dia adia, e nos permite viver as possibilidades de todos osmomentos, sejam eles bons ou ruins, mas sobretudoé capaz de nos proteger contra possíveisdescaminhos.“A Volta” é, literalmente, o regresso à imaginaçãoe à fertilidade que a literatura nos permite, pois lendoeste livro sentimos e entendemos melhor tantasengrenagens que até então não se permitiam mover.
Available since: 08/01/2019.

Other books that might interest you

  • Tempoesia - cover

    Tempoesia

    Marcelo Aceti

    • 0
    • 0
    • 0
    Tem tempo, Tempoesia...Lançado em setembro de 2010 pela Litteris Editora, Tempoesia foi o livro de estreia do escritor, músico e poeta Marcelo Aceti, autor de 'sete palavras sobre nada... ou quase tudo!' e do romance 'P.S. eu te amo'. Como homenagem ao seu trabalho e como um marco em sua trajetória, seu primeiro livro acaba de ganhar esta EDIÇÃO COMEMORATIVA para celebrar os dez anos de sua publicação.
    Show book
  • A Água Volta Como Memória - cover

    A Água Volta Como Memória

    Silvino Ferreira Jr

    • 0
    • 0
    • 0
    Nos primeiros versos de A Água Volta Como Memória, Silvino Ferreira Jr convida o leitor a acompanhá-lo em uma viagem através da memória auditiva de uma água. Água cristalina, água da nascente. De volta à foz de um rio, ao mesmo tempo, real e imaginário, o poeta reencontra uma face e uma voz esquecidas e, como numa revelação, descobre que a foz desse rio é ponto de partida para um longo percurso. Como um rio corrente, os poemas tomam as páginas numa profusão de afluentes sonoros e, numa metáfora da vida, abordam do visível da superfície ao fundo de águas profundas, por vezes, subterrâneas. Vai de um simples recorte do tempo, através da memória, aos nossos mais recorrentes dilemas. Mas este rio também é condutor do leitor pelas múltiplas formas que pode navegar os poemas. Quer partindo da foz, seguindo até onde ele desemboca; ou por desvios e atalhos, aos saltos, onde cada poema é rio afluente. A Água Volta Como Memória é um lugar para onde o leitor sempre pode voltar, quando tiver sede de poesia. 
     
    Show book
  • Poesia para a alma - cover

    Poesia para a alma

    Andreia Menezes

    • 0
    • 0
    • 0
    Sofrimento, perdas, traições, tristeza, dor… Nosso caminho é permeado de batalhas que expõem nossas instabilidades e inseguranças, levando-nos a refletir sobre qual tem sido nosso comportamento diante dos desafios impostos pela vida. Poesia para a alma surge com o desafio de levar ao leitor uma voz com a qual se identifique, retratando um pouco da realidade humana; suas limitações e superações, suas decepções, motivações,  suas decisões e esperanças.
    Show book
  • Havê-la enquanto se vive - Coletânea de 150 melhores poemas e o inédito O MAR MAIS AZUL - cover

    Havê-la enquanto se vive -...

    Thereza Christina Rocque Da Motta

    • 0
    • 0
    • 0
    Neste novo trabalho, Thereza Christina Rocque da Motta reúne textos de sua produção lírica, cujo fio condutor está diretamente relacionado com o mundo grego. Não se trata de tarefa fácil, posto que a civilização grega é um dos principais pilares do mundo ocidental e, por isso mesmo, tem sido objeto de diferentes tipos de visitação ao longo dos mais de três mil anos de sua existência, principalmente se considerarmos os seus primórdios na cultura cicládica, desenvolvida antes de 3200 a.C. No entanto, Thereza habilmente tece a sua poesia, não apenas com imagens fortes, palavras e estruturas bem articuladas no labor poético, mas de modo a nos mostrar que o mundo grego sempre será um percurso possível (e, talvez, necessário) para o nosso autoconhecimento.Elementos caros ao mundo grego se fazem presentes desde os poemas iniciais e atravessam todo o livro. Um deles é a relação do mundo grego com o mar. Logo no primeiro poema, Thereza (ou se preferirem, o eu lírico que anima seus poemas) chama-nos a atenção para essa relação, que pode ser tão forte que, como nos dizem dois de seus versos: “O mar está lá a? tua espera / mesmo que não estejas lá”. Ou seja, o ser tocado pelo ethos grego leva o mar dentro de si, mesmo estando distante de sua visão. A sua presença é sempiterna e é um constante topos de referência, ainda que experimentado como ausência. No poema “Alumbramento”, o mar é a tumba que testemunha e resguarda a passagem dos gregos pelo mundo: “Os odres de azeite e vinho desceram até o fundo do mar / e lá ficaram”. Aqui, o mar é o livro onde estão gravadas as ações dos antigos gregos, nos dando testemunho de sua aventura, de seus negócios e de seu legado, metaforizados pelo “azeite” e pelo “vinho”. Em outro poema (que não cito o nome para que o leitor possa descobri-lo por si mesmo), o mar é a própria substância que molda o sentido de existência do ser em sua passagem pela vida: “O mar, póstumo e ferido, / que, antigo e breve, / molda meus desígnios”. O leitor sensível não poderá perder a oportunidade de se deixar levar pela força desses versos, que unem passado e presente para nos lembrar que o mar também representa as forças que estão além de nossa própria potência e que, de algum modo, possuem muita influência na modelagem de nosso destino.Do prefácio de William Soares dos Santos
    Show book
  • Corvos Cobras Chacais - cover

    Corvos Cobras Chacais

    António Carlos Cortez

    • 0
    • 0
    • 0
    "Corvos Cobras Chacais" nasceu de uma sequência alargada de poemas em prosa e constituiu um capítulo participante da antologia "A dor concreta" (ed. Tinta da China), do poeta António Carlos Cortez, em uma prévia de um livro futuro, este que agora se nos apresenta. Bem reconhece Pedro Mexia quando diz que "depois de Daniel Faria não houve na poesia mais recente em Portugal quem arriscasse em construir um tom elevado e ao mesmo tempo realista e concreto, algo em que Cortez é exímio". Em "Corvos Cobras Chacais", Cortez maneja a forma poética para falar de uma forma inesquecível, indelével, daquilo que mais nos assombra: da crueldade da vida e da passividade dos homens.
    Show book
  • Estado de acédia - cover

    Estado de acédia

    Gregorio Muelas Bermúdez

    • 0
    • 0
    • 0
    'Estado de acédia' faz eco da sensação de agrura que produz um mundo infestado de desigualdades e injustiças e onde abundam os sentimentos de nostalgia e de melancolia. Os poemas aqui reunidos partilham, pois, uma mesma vocação de crítica social, mas através dum olhar culturalista, porque a poesia é uma arma carregada de esperança. Esta nova obra de Gregorio Muelas apaga limites em todos os sentidos. No da tradição poética, ao não romper com o passado e assumir registos diferentes, no formal [...], mas também na fusão dos conteúdos. Assim, encontramos Antonio Machado (evocado no título de Caminhos sobre o mar) para negar as fronteiras marinhas e territoriais; voltamos à herança cultural grega (O sonho de Ítaca) para mostrar-nos a tragédia da imigração; e o leitor avisado notará a presença tácita de Anna Ajmátova (Casas de Fontaka), que foi testemunha do assédio alemão na janela da sua residência numa dessas casas junto ao canal do Neva em Leninegrado.
    Show book