Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Consumo de Ativismo - cover

Consumo de Ativismo

Ana Paula De Miranda, Izabela Domingues

Publisher: Estação das letras e cores editora

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Estamos numa era de netativismo crescente. Percebendo essa nova dinâmica, marcas buscam se apropriar dos discursos de grupos e movimentos sociais para se mostrarem mais atentas e engajadas com as demandas do tempo presente. Transformam o que seria uma relação de potencial confrontação entre consumo e ativismo em um cenário de consumo de ativismo disseminado por empresas dos mais diversos setores. Além das marcas, consumidores-cidadãos também estão buscando demonstrar sua adesão ou apoio a causas atuais, através do uso da moda, agora visibilizada em rede. O consumo de ativismo parece se opor ao consumo ostentatório professado por Veblen, entretanto, sob um olhar mais agudo, considerando os valores culturais ocidentais contemporâneos e o espírito do tempo presente, podemos perceber que ser um consumidor de ativismo, é talvez uma ideia em si mesma a ser ostentada.

Other books that might interest you

  • Código de Defesa do Consumidor - Comentado - cover

    Código de Defesa do Consumidor -...

    Rubens Souza

    • 0
    • 0
    • 0
    Lei 8078 de 11 de setembro de 1990 – CDCEstabelece normas de proteção e defesa do consumidor, de ordem pública e interesse social, nos termos dos arts. 5°, inciso XXXII, 170, inciso V, da Constituição Federal e art. 48 de suas Disposições Transitórias.. A Editora Áudio dispõe o texto na integra atualizado com redação da Lei nº 12.039, de 2009.Trata-se de uma imprescindível ferramenta de consulta para que o consumidor tome conhecimentos e possa defender-se de produtos e serviços que não correspondam ou não contenham as caracteírsticas oferecidas.
    Show book
  • Virtude e verdade: graus capitulares - Tomo III - cover

    Virtude e verdade: graus...

    Luiz Fachin

    • 0
    • 0
    • 0
    Os estágios de “Cavaleiro”, ora desenvolvidos, constituem-se nos denominados Graus Capitulares, com os quais são examinados os extraordinários fatos religiosos, políticos e sociais ocorridos na vida dos povos, sejam os narrados no conjunto dos Livros Sagrados ou mesmo nos registros históricos da vida da humanidade em geral.Bem assim, na Maçonaria, a representação do “Cavaleiro” é de pessoa que já superou as suas deficiências e é capaz de controlar as tendências para os exageros, portanto é a imagem da individualidade detentora de um perfeito autodomínio e, de modo mais sensível e adequado, é possuidora de habilidades, resultantes de conhecimentos já adquiridos, para mais bem compreender as forças ativas que conservam a ordem natural de tudo quanto existe. Por efeito, a pessoa que tem a referida formação também se dispõe a aceitar modos diferentes de pensar e, por isso, jamais impedirá a propagação de ideias inovadoras e de princípios briosos, que transformam os aspectos culturais, porque são a causa do aprimoramento e do desenvolvimento, peculiares à evolução social. Aliás, depois de conhecer os temas relacionados com a defesa da liberdade, com a tolerância religiosa, com a democracia e o respeito pelos direitos fundamentais do gênero humano, desenvolvidos nesta obra, em todo o tempo, constituem-se no trabalho dos “Cavaleiros”, a exemplo de outros progressos que se tornaram reais e que se sucederam por intervenção de Maçons. Registre-se, ainda, que nesses estágios persistiu o objetivo de percorrer o caminho para descobrir a Luz, razão pela qual a elaboração deste trabalho, igualmente, foi com base na máxima atribuída aos Sete Sábios (650 a.C. a 550 a.C.) inscrita no oráculo de Delfos: “G???? S??TON” – CONHECE-TE A TI MESMO.
    Show book
  • Raça e classe no Brasil - cover

    Raça e classe no Brasil

    Fernanda Barros Dos Santos

    • 0
    • 1
    • 0
    Seria a sociedade brasileira uma sociedade multirracial de classes? No ímpeto de responder a este questionamento, o livro se debruça sobre o Projeto UNESCO (1950) e destaca duas importantes pesquisas acerca das relações raciais estabelecidas em São Paulo e na Bahia. Neste sentido, sob as lentes de Thales de Azevedo (1904-1995) e Florestan Fernandes (1920-1995) & Roger Bastide (1898-1974) foram vislumbradas as singularidades do ethos nacional. A partir das seguintes obras: “As elites de cor numa cidade brasileira - Um estudo de Ascensão social & Classes sociais e grupos de prestígio” (1953) - e “Relações Raciais entre Negros e Brancos em São Paulo” (1955) são capturadas as especificidades de nossa conformação social.
    Show book
  • Os Direitos da Criança e do Adolescente - cover

    Os Direitos da Criança e do...

    Luiz Augusto Flores

    • 0
    • 0
    • 0
    Disponibilizamos o livro digital ilustrado colorido de história em quadrinhos ”Os Direitos da Criança e do Adolescente”, cujo conteúdo foi editado com base na Lei Federal nº 8.069 de 13 de julho de 1.990 e suas atualizações, lei também chamada de Estatuto da Criança e do Adolescente - ECA. Transformados os termos jurídicos para linguagem simples, de fácil entendimento e leitura, apresentando seu conteúdo de leitura nos balões de diálogo entre os personagens uma criança e dois adolescentes, e o personagem o jornalista da editora, que esclarece tudo sobre o estatuto da criança e do adolescente.
    Show book
  • Corpo do Brasil - cover

    Corpo do Brasil

    Jose Eduardo Degrazia

    • 0
    • 0
    • 0
    Poesias de José Eduardo Degrazia sobre o Brasil.
    Show book
  • Todos são culpados? - Uma etnografia da auditoria de justiça militar do Rio de Janeiro - cover

    Todos são culpados? - Uma...

    Sabrina Souza Da Silva

    • 0
    • 0
    • 0
    Os estudos sobre a atuação das justiças militares no Brasil, no período democrático, ainda são modestos, principalmente quando falamos de estudos empíricos sobre o cotidiano dessas instituições. Por esse motivo, a presente obra apresenta-se como primordial para compreendermos o contexto político contemporâneo. Com uma etnografia extensa, realizada nos corredores e salas da Auditoria da Justiça Militar do Estado do Rio de Janeiro (AJMERJ), a autora traz à luz formas de entrelaçamento de éticas jurídicas, militares e policiais que se encontram na instituição observada, descrevendo formas de administração de conflitos surgidos cotidianamente na atuação de policiais e bombeiros militares nas ruas e quartéis do estado do Rio de Janeiro. Neste contexto, Sabrina Souza da Silva busca elaborar, em sua primeira obra, uma discussão sobre as formas pelas quais a “verdade jurídica” é institucionalizada nos processos em que os réus são militares estaduais. A autora traz, de forma dinâmica, casos observados, com uma análise que vai além da dicotomia sobre leis versus práticas, destacando o diálogo entre a legislação, éticas tradicionais de instituições públicas e conflitos sobre formas de atuação de agentes estatais no Rio de Janeiro.
    	 	 	
    Sabrina Souza da Silva é cientista social e doutora em antropologia pela Universidade Federal Fluminense. É pesquisadora do Instituto de Estudos Comparados em Administração de Conflitos - INCT/INEAC. Tem experiência na área de Antropologia do Direito, com ênfase em Justiça Militar, Justiça Criminal, Segurança Pública e, atualmente, vem pesquisando conflitos relacionados à Justiça do Trabalho.
    Show book