Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Corre que dá tempo! Bem que minha mãe falou - cover

Corre que dá tempo! Bem que minha mãe falou

Ana Lúcia Duarte Fernandes De Barros Ponce Moreira

Publisher: Autografia

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Este livro trata-se de uma autobiografia, de uma mulher negra com 39 anos, do outro lado do oceano, impedida de voltar para casa por conta de uma pandemia, que acaba tendo tempo de relembrar tudo que viveu, até chegar na Europa, onde só ela sabe as delícias e os dissabores de ser quem ela é, aproveita e faz uma bela, porém discreta homenagem à mãe, que é responsável por sua formação de caráter.

Other books that might interest you

  • O Segredo dos Templários - cover

    O Segredo dos Templários

    Picknett Prince

    • 0
    • 0
    • 0
    No decurso das suas investigações sobre o Sudário de Turim e Leonardo da Vinci, Lynn Picknett e Clive Prince descobriram indícios fortíssimos a respeito de um dos segredos mais bem guardados da história. Isso levou-os a mergulhar no mundo misterioso da mais alta espiritualidade europeia.
    
    Investigando grupos tão misteriosos como a Maçonaria, os Cátaros, os Rosacruzes e os Templários, começaram a delinear todo um novo mundo religioso, e aos poucos foram desvendando uma outra história do cristianismo - secreta e preservada ao longo dos séculos -, cuja divulgação iria certamente abalar os alicerces da Igreja. Durante esse périplo, viajaram pelo coração herético da Europa e descobriram duas grandes vertentes da heresia antiga - a extrema reverência por João Batista e a «igreja secreta» de Maria Madalena. Foi essa jornada que trouxe luz à história obscura dos Templários e a uma cruzada banhada de sangue no seio da própria Igreja, além de a uma série de mensagens codificadas em obras de arte e nas mais majestosas catedrais góticas da Europa.
    
    O Segredo dos Templários é o resultado de uma busca fascinante pela verdade, apresentando uma visão nova e surpreendente dos reais motivos dos fundadores do Cristianismo. Cuidadosa e exaustivamente documentada, esta é uma obra que revela uma história ocultada ao longo dos séculos e cujo capítulo final ainda está por ser escrito.
    
    Críticas de imprensa
    «Uma investigação histórica sensacional!»
    Washington Post
    Show book
  • O Advogado e o imperador - A história de um herói brasileiro - cover

    O Advogado e o imperador - A...

    Gilberto Abreu Sodré Carvalho

    • 0
    • 0
    • 0
    A condição degradante dos negros no Brasil do século XIX, após três séculos de escravidão, cujos reflexos ainda hoje estão presentes em nossa sociedade, é retratada numa prosa poética bastante singular em O advogado e o imperador - A história de um herói brasileiro. Seu autor recria neste romance histórico a vida do abolicionista Luiz Gama e o coloca no lugar de protagonista como um herói brasileiro. O processo que levou à abolição da escravatura é um tema muito atual e pertinente, que merece ser revisto e discutido. A relação entre Luiz Gama e o imperador Dom Pedro II coloca em foco questões como liberdade e justiça social. Mais do que isso, aponta também a omissão do imperador em relação à questão escrava e à criação de um projeto de país que incluísse todas as pessoas.O abolicionista Luiz Gama e o imperador Filho de mulher negra livre e homem branco, Luiz foi vendido como escravo pelo próprio pai aos dez anos de idade. Aprendeu várias profissões e exerceu a advocacia sem nunca ter-se formado advogado. Ele acreditava que o Brasil só poderia se desenvolver e ser um país justo quando toda a população recebesse a mesma educação e tivesse as mesmas oportunidades sociais e de trabalho. Sabia que a abolição da escravatura não seria a solução, mas um primeiro passo para uma sociedade mais justa. Considerado um eficaz tribuno da liberdade, ainda hoje seu pensamento é importante para a compreensão das fragilidades sociais do Brasil. Segundo o autor, Dom Pedro II representava o passado, acreditava no escravismo como um 'mal necessário' e tinha a clara intenção de 'branquear' a população brasileira. Acreditava que trazer imigrantes europeus brancos seria uma estratégia de governo para ajudar a dizimar a população negra analfabeta e desassistida, que estaria ainda mais fragilizada após a inevitável abolição da escravatura, exigida pelos britânicos e pelo mundo civilizado em geral. Para o Imperador, os brancos vindos da Europa substituiriam, com vantagem, os negros brasileiros como mão de obra. E estes sucumbiriam com o tempo.
    Show book
  • Encontrei o Meu Tesouro - cover

    Encontrei o Meu Tesouro

    Chris Durán

    • 0
    • 0
    • 0
    Chris Durán foi cantor romântico de fama internacional na década de 1990, projetado para o mercado hispânico, inglês e português. Teve uma legião de fãs, suas canções figuraram nas paradas de sucesso das rádios de todo o mundo e no Billboard.
    Show book
  • Antonio Cavalcanti Sobral: Trajetória e genealogia - cover

    Antonio Cavalcanti Sobral:...

    Neila Ferraz Moreira Nunes

    • 0
    • 0
    • 0
    Biografia acrescida de estudo genealógico que narra a história de um avô, vivida no seu tempo e espaço em finais do século XIX e início do século XX, circunscrita a zona da Mata Mineira e Noroeste Fluminense.
    Show book
  • Meditações para a manhã e para a noite - cover

    Meditações para a manhã e para a...

    James Allen

    • 0
    • 0
    • 0
    Podemos ler um milhar de livros e artigos sobre meditação, até podemos saber muito sobre o assunto na teoria, mas, se não praticarmos, todos os livros e estudos serão uma perda de tempo. O que é a meditação? Para que serve? Como começar a meditar? Encontre um breve momento para ler este livro, descubra as suas sementes de sabedoria e veja a sua vida transformar-se. Meditações para a Manhã e para a Noite reúne belas meditações para alimentar a mente e apaziguar a alma, revelando a essência da sua visão num mês pleno de reflexões. Em cada uma delas, James Allen oferece-nos a força da verdade e a bênção do conforto, na forma de joias espirituais da sabedoria. Refletindo as experiências mais profundas do coração, a sua missão é simples: elevar a alma do seu leitor.
    
    Seja no trabalho, seja nos momentos de lazer, nos dias de alegria ou de tristeza, com sol ou com chuva, as palavras destas meditações certamente servirão de inspiração e abrigo, proporcionando momentos de paz e introspeção em cada dia.
    Show book
  • A era de Juliano - Paganismo e cristianismo no Império Romano - cover

    A era de Juliano - Paganismo e...

    Gaetano Negri, Eliana Aguiar

    • 0
    • 0
    • 0
    No ano 361, o cristianismo completara meio século como religião oficial do Império Romano. Quatro imperadores cristãos já haviam governado em sequência. Embora profundamente dividida por debates esotéricos, ainda em busca de fixar sua doutrina oficial, a Igreja predominava sem contestação relevante nos centros do poder. As religiões antigas perduravam nos campos, mas a grande maioria dos habitantes das cidades do Império já se dizia cristã.  
    
    Nesse contexto, ascende ao trono um jovem imperador que decide restaurar a civilização helênica e o culto aos seus múltiplos deuses. Embora educado no cristianismo, conhece a fundo o helenismo, pela influência de mestres, por sucessivas viagens, pelo estudo dos neoplatônicos e por outras leituras. Dotado de espírito forte e reto, considera que seu dever é propiciar o retorno ao passado e impedir a consolidação de uma religião que, segundo ele, estava destruindo uma gloriosa civilização.  
    
    Era Flávio Cláudio Juliano, que entrou para a história como Juliano, o Apóstata, pois a Igreja cristã, que ele combateu sem perseguições, tornou seu nome odioso. Sua vida pública durou somente oito anos, entre 355, quando conduziu uma grande campanha contra as invasões germânicas na Gália, e 363, quando foi mortalmente atingido por uma lança em um combate com os persas. 
    
    Ao assumir o trono, ele encontrou uma corrupção generalizada no Império cristão e uma Igreja dilacerada pelo conflito de facções.  A disputa metafísica em torno de dogmas filosóficos já substituíra o cristianismo simples do Sermão da Montanha, que, na origem, se resumia a normas de conduta e à crença em algumas promessas reveladas por Cristo. 
    
    A tentativa de salvar o grande Império decadente por meio da refundação do paganismo helênico soa estranha para nós. Mas foi um momento decisivo na história do Ocidente, pois esteve em xeque a adoção do monoteísmo cristão pelo Império Romano, uma guinada não só teológica, mas, antes de tudo, política, que determinou parte importante da história do mundo em que vivemos. 
    
    Juliano perdeu. As religiões de culto, durante milênios vinculadas a sociedades específicas, acabaram derrotadas, cedendo lugar a uma “religião do livro” dotada de aspiração universal. O jovem imperador passou pelo trono como um meteoro luminoso que, mal começou a brilhar, se apagou. Não teve tempo de deixar uma marca duradoura de sua ação nos fatos e nas coisas. Permaneceram apenas seu ideal utópico, seus textos e os testemunhos dos contemporâneos, em larga medida recuperados pelo historiador Gaetano Negri neste belo ensaio biográfico. 
    
    César Benjamin
    Show book