Turn 2021 into a year of reading!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
O Cortiço - cover

O Cortiço

Aluísio De Azevedo

Publisher: Aluísio De Azevedo

  • 0
  • 4
  • 0

Summary

Nesta importante obra da literatura brasileira, são mostrados o comportamento da burguesia e as supostas balbúrdia e sensualidade dos mais pobres. Obra-prima de Aluísio Azevedo, O cortiço mostra, com objetividade implacável, o cotidiano de miséria de uma habitação coletiva em fins do século XIX.
Retrato naturalista da sordidez e dos vícios humanos, esse romance representa a maturidade de um escritor preocupado em registrar e analisar, à luz da ciência da época, as mazelas da sociedade brasileira.

Other books that might interest you

  • Tentação - cover

    Tentação

    Adolfo Caminha

    • 0
    • 1
    • 0
    Última obra publicada por Adolfo Caminha,"Tentação" foi publicado no ano de 1896, ano anterior à morte do autor. O romance conta o desapontamento de um casal de provincianos em contato com as falsidades da vida na Corte e relata, com olhar crítico, o ambiente vivido pela Capital no declínio do Segundo Reinado.
    Show book
  • A nova califórnia - cover

    A nova califórnia

    Lima Barreto

    • 0
    • 1
    • 0
    “A nova Califórnia” explora a química da linguagem literária - aquela que traz a nebulosidade das figuras para as frases a fim de fazer o leitor encontrar a clareza das informações, o Sol das ideias, aquela que leva o leitor a descobrir que, por baixo dessa sátira ao francês Nicholas Flamel, está a alma gananciosa do ser humano.
    Show book
  • Tapa na bunda - cover

    Tapa na bunda

    Denise Dias

    • 0
    • 2
    • 0
    Para todos aqueles que querem educar seus filhos, mas têm dúvidas de como impor limites, nestes
    tempos cheios da vigilância do politicamente correto. A autora mostra que existe uma divisão
    clara entre violência e respeito, entre agressão e impor autoridade e disciplina.
    Show book
  • Aurora boreal - cover

    Aurora boreal

    Maria Amélia Thomaz

    • 0
    • 0
    • 0
    Este é o primeiro livro publicado da escritora mineira Maria Amélia Thomaz. Com leveza e sensibilidade ela nos surpreende com um estilo inovador e simples de contar histórias. Aurora Boreal se passa no interior de Minas Gerais, entre as décadas de 70 e 90. É uma história sobre o processo muitas vezes árduo, porém bonito, de superação perante os infortúnios da vida. Quando Guilherme chega da França, após concluir seus estudos, a sua vida desemboca num espiral de reviravoltas, amores brutos, sofrimento e superação. Uma história que fala fundo. O leitor irá se encantar com uma Minas bucólica, a fartura, os costumes, a paisagem, os tipos humanos. A Estância d´Água, propriedade da família de Guilherme, parece ter sentimento e vontade próprios, recebe sempre com amor.  Ao longo das reviravoltas, a autora nos brinda com o mugir confortante das vacas, o canto esperançoso dos pássaros, a calma do Rio Bicudo. Os ditos e os não ditos de dona Geralda, os modos de falar, a goiabada, o queijo, a sanfona. Sem abrir mão desse sentimento quase saudosista, que faz o leitor viajar por uma Minas que aos poucos deixa de existir, Maria Amélia não poupa das críticas alguns dos costumes conservadores que acabam por tolher a liberdade das pessoas, no seio da tradicional sociedade mineira. Tais críticas, feitas de forma elegante, e algumas pitadas de engajamento político completam o tecido da história.
    Show book
  • Raios De Extincta Luz - Poesias Ineditas - cover

    Raios De Extincta Luz - Poesias...

    Antero De Quental

    • 0
    • 3
    • 0
    A publicação d'este livro é um phenomeno litterario de alta importancia. Compõe-se de uma collecção de Poesias ineditas de Anthero de Quental, na primeira phase artistica, de 1859 a 1863, quando o seu ideal era ainda religioso, romantico e espiritualista. Phase ignorada do publico, acha-se descripta pelo poeta na sua Autobiographia, quando allude á «educação catholica e tradicional de um espirito naturalmente religioso, nascido para crêr placidamente e obedecer sem esforço a uma regra conhecida.» Ao dar á publicidade o livro revolucionario as Odes modernas, em 1865, accentuada poesia de combate, Anthero rasgou todas as composições anteriores, para que não ficassem vestigios d'esse periodo contemplativo. Dera então o maximo relêvo á «revolução moral e intellectual», como o facto mais importante da sua vida, segundo confessa na Autobiographia. Truncando as suas origens artisticas, apagava uma pagina psychologica, tão cheia de verdade e naturalidade, que a critica nunca poderia reconstruir. Por uma casualidade feliz um companheiro de Anthero de Quental, que por esse tempo frequentava a faculdade de medicina, copiára todas as poesias romanticas: chamava-se Eduardo Xavier de Oliveira Barros Leite, fallecido prematuramente em 1872. Por um enlace de familia, obtive por occasião da sua morte o caderno das poesias que copiára, e que o proprio auctor, que lhe sobreviveu vinte annos, mal suspeitava terem sido conservadas. Guardei-as pois, como um valioso documento, onde estavam os primeiros germens do talento poetico de Anthero de Quental; publicando-as depois da sua morte desgraçada, restituimos-lhe á vida subjectiva uma pagina luminosa e sympathica que faltava á sua obra e á litteratura portugueza. O titulo do livro, Raios de extincta Luz, tem a significação do seu apparecimento posthumo, e o valor de exprimir um presentimento do poeta, ao começar com este hemistychio a invocação escripta em 1860 para uma colleccionação projectada
    Show book
  • Ao correr da pena - cover

    Ao correr da pena

    José de Alencar

    • 0
    • 0
    • 0
    Considerada a estreia literária de José de Alencar, Ao Correr da Pena é uma obra que reúne crônicas escritas pelo autor entre 1854 e 1855, publicadas semanalmente em folhetim no Jornal Correio Mercantil, do Rio de Janeiro. É com esses escritos, que, aos 25 anos de idade, Alencar começa a se tornar conhecido no círculo intelectual da época, já mostrando intimidade em permear entre o gênero literário e o estilo jornalístico. 
    Por meio das crônicas, é possível conhecer aspectos do cotidiano social, político, econômico e cultural da sociedade carioca do século 19, bem como entrar em contato com as primeiras ideias literárias do autor, que foi o maior expoente do Romantismo brasileiro de seu tempo. 
    É como romancista que José Martiniano de Alencar (1829-1877) é lembrado até os dias de hoje. No entanto, o autor também foi folhetinista, jornalista, dramaturgo, advogado e político, deixando entre a sua produção escrita, além de crônicas, peças de teatro, textos autobiográficos e críticas literárias.
    Show book