Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Cozinha de afeto - Histórias e receitas de doze mulheres imigrantes no Brasil - cover

Cozinha de afeto - Histórias e receitas de doze mulheres imigrantes no Brasil

Alexandra Gonsalez, Sonia Xavier

Publisher: Editora Alpendre

  • 0
  • 3
  • 0

Summary

Há mais de um século o Brasil tem sido um porto seguro para imigrantes de todos os lugares do mundo. Na bagagem, eles trazem marcas profundas de sua cultura e da terra natal em um hábito singular: a culinária. Cozinha de Afeto - Receitas e aventuras de doze mulheres imigrantes no Brasil resgata receitas de família carregadas de carinho e saudades.  
Vindas de Angola, Alemanha, Argentina, Colômbia, Etiópia, Espanha, Índia, Irã, Japão, Grécia, Itália e Ucrânia, doze mulheres contam a história de suas vidas por meio dos ingredientes e das memórias das refeições em família. Embora tenham raízes geográficas variadas e pertençam a culturas diferentes, essas imigrantes dividem uma característica comum: a paixão pelos aromas e sabores que marcaram suas vidas e a consequente dedicação em mantê-los nas suas mesas. Hoje com idades entre 30 e 80 anos, elas chegaram ao Brasil trazidas por razões diversas, em épocas distintas. Em seus relatos, compartilham sensações de estranhamento e as boas surpresas encontradas no país que as acolheu.
 Por meio da culinária, essas mulheres ajudam a escrever novos capítulos em nossa história, contribuindo na formação de um país multicultural, multirracial e com sabores inigualáveis. E dividem com os leitores de Cozinha de afeto os segredos de pratos como kurabie, borscht, empanadas vallunas e guisado de cordeiro com ervas frescas.
Available since: 05/01/2015.

Other books that might interest you

  • José Miguel Leal da Silva - Entre química e minas - cover

    José Miguel Leal da Silva -...

    Maria João Alexandre

    • 0
    • 0
    • 0
    A biografia de José Miguel Leal da Silva integra a colecção «Histórias de Liderança», que dá a conhecer a vida daqueles que contribuíram para definir a natureza da gestão em Portugal, para memória futura.
    José Miguel Leal da Silva, um engenheiro formado em Química Industrial na Universidade do Porto, já na infância brincava «às fábricas» no jardim de casa e, na adolescência, fugia de bicicleta para explorar as minas dos concelhos da Feira, de Valongo e de Gondomar, revelando a sua paixão por fábricas e amostras minerais.
    Este livro mostra o seu contributo para a evolução tecnológica da produção de adubos nas fábricas da Companhia União Fabril (CUF) no Barreiro, para onde entrou em 1961. Na área de produção de ácido sulfúrico a partir de pirites e de enxofre, teve várias funções de liderança, deixando o seu legado na transição das unidades de câmaras de chumbo para as fábricas de contacto.
    Tanto no grupo fundado pelo industrial português Alfredo da Silva como na QUIMIGAL e na Empresa Mineira e Metalúrgica do Alentejo, acompanhou o aproveitamento dos minérios do Alentejo, defendendo sempre projectos de coordenação entre a mina e a metalurgia.
    Show book
  • O Jejum que Cura - cover

    O Jejum que Cura

    Edward Dewey

    • 0
    • 0
    • 0
    A ideia do jejum não é nova nem revolucionária. Na verdade, trata-se de uma terapêutica que remonta ao passado. A literatura sobre aquilo que se deve comer ou não, aquilo que se deve fazer ou não, sobre medicamentos que transformam os estômagos humanos em farmácias, é simplesmente ilimitada.
    A acreditarmos em tudo o que lemos, teremos de considerar o sítio onde estamos antes de podermos inspirar com segurança o sopro da vida; não devemos refrescar as nossas gargantas ressequidas sem a certificação de um microscópio nem devemos comer sem realizar uma análise exaustiva de cada elemento na lista de ingredientes.
    
    A visão universal da doença enquanto inimiga da vida, e não como um processo racional de cura, a fé ilimitada nos remédios como meios de resistir ao ataque revelado pelos sintomas, torna o cuidado profissional dos doentes na mais séria de todas as ocupações humanas, e na mais difícil para a cabeça e o coração.
    O desejo de comida pela manhã é apenas uma questão de hábito. A fome matinal é uma doença cultural, e aqueles que mais necessidade sentem de comer são os que mais motivos têm para jejuar por uma saúde melhor. Este livro foi escrito há mais de um século. Trata-se de uma obra pioneira cuja publicação nos EUA alcançou um sucesso assinalável e contribuiu para o estudo do jejum como prática auxiliar de tratamento.
    
    O Dr. Dewey relata as suas experiências em primeira mão, fundamentadas na sua prática médica. Muitas das evidências aqui citadas são empíricas e sustentadas pela observação dos seus próprios pacientes. Descobertas mais recentes continuam a trazer novos dados a respeito das virtudes do jejum.
    
    Numa época em que a sociedade parece correr atrás de receitas milagrosas de cura, a leitura deste livro oferece aos leitores uma perspetiva histórica valiosa sobre uma prática ancestral de saúde e bem-estar.
    Críticas
    «Viver de acordo com os ensinamentos deste livro não tardará a formar uma nova geração de pessoas saudáveis.»
    J. W. Dill
    
    «Recomendo a todos que o leiam e sigam as suas indicações.»
    D. M. Sheedy
    
    «A lógica deste livro parece incontestável.»
    Alexander Haig
    
    Críticas de imprensa
    «Interessante, prático, lógico e vigoroso.»
    Philadelphia News
    
    «Um livro escrito por um homem de convicções, redigido num tom alegre e simples, que não é “pesado” nem “aborrecido”.»
    The Independent
    Show book
  • Paulinho da Viola Nervos de Aço - Entrevistas a Charles Gavin Som do Vinil - cover

    Paulinho da Viola Nervos de Aço...

    Charles Gavin, Paulinho da...

    • 0
    • 0
    • 0
    'A íntegra das entrevistas de Paulinho da Viola e Monarco para Charles Gavin, no episódio de Som do Vinil dedicado ao antológico disco ''Nervos de aço'', de 1973. ''Um samba diferente, com um quê de experimentação, feito a partir de um ostinato (frase que se repete seguidamente ao longo da composição), tocado no violão com acompanhamento nada convencional dos metais e do piano. Era a primeira vez que eu via Paulinho da Viola e sua banda ao vivo e aquele samba me chamou a atenção dentro do repertório repleto de clássicos. Passei o show todo me perguntando que música era aquela. Mais tarde, no camarim, com a elegância que lhe é peculiar, Paulinho me disse: 'esta é uma composição minha e chama-se 'Roendo as unhas'. Foi uma experiência que fiz na época, acabou ficando desse jeito. Pertence a um disco meu dos anos 70, muito importante pra mim, chamado Nervos de Aço'''.Charles Gavin'
    Show book
  • O Gato que Sobreviveu - cover

    O Gato que Sobreviveu

    Gwen Cooper

    • 0
    • 0
    • 0
    UMA VEZ EM CADA NOVE VIDAS ALGO EXTRAORDINÁRIO ACONTECE 
    
    A última coisa que Gwen queria era ter mais preocupações. Já tinha dois gatos, um emprego miserável e o coração partido. Foi então que a veterinária dos seus gatos lhe telefonou a partilhar a história de um gatinho cego abandonado com apenas três semanas de vida. Gwen não conseguiu evitar comover-se com o relato e tomou a decisão imediata de acolher o novo gatinho. 
    
    Foi amor à primeira vista. Todos a alertaram que o seu gato Homero (assim batizado em homenagem ao poeta cego homónimo, autor de Odisseia) seria sempre medroso e desajeitado, mas o gatinho em que ninguém acreditava cresceu rapidamente até se tornar um dínamo de três quilogramas com um coração gigante que criava laços de amizade com cada pessoa que se cruzasse no seu caminho. 
    
    A lealdade inabalável de Homero, a sua capacidade ilimitada de amar e o seu entusiasmo por superar obstáculos transformaram a vida de Gwen e inspiraram-na a seguir os seus sonhos. Mais tarde, quando conheceu o amor da sua vida, percebeu que Homero lhe tinha ensinado a lição mais valiosa de todas: o verdadeiro amor é invisível aos olhos. 
    
    O Gato Que Sobreviveu é uma história de superação, autoconhecimento e transformação capaz de nos emocionar e fazer compreender que, para conseguirmos o que queremos da vida, muitas vezes precisamos de dar um salto no escuro, confiar nos nossos instintos e acreditar que, tal como os gatos, cairemos sempre de pé.
    Show book
  • Margens e Travessias - cover

    Margens e Travessias

    Boabentura Cardoso

    • 0
    • 0
    • 0
    «Boaventura Cardoso produziu um alto romance. Indelével o sentido poético difuso que o atravessa. Ouve-se a música do pensamento, a expressão de uma língua serena e vibrátil.»
                                                                                                       Marco Lucchesi, escritor e Presidente da Academia Brasileira de Letras
    
    Mensagem de Rita da Silva Cardoso, mãe do autor
    «Nas bordas deste romance inscrevi parte do que fui escrevendo em pagelas. A história da minha amargura é longa; não posso contá-la toda, nem convém, para além de que não tenho já vida para guardar tan¬tas memórias. Pronto, fica assim. Que um dia se escreva a história das mães sofredoras como eu fui. De qualquer modo, meu filho, a ti que és escritor, confio estes papéis. Publica-os no momento oportuno; talvez seja melhor esperares que um dia acabe este caduco regime de ditadura democrática revolucionária…; faz   tento nisso, Boaventura. De qualquer modo, levo comigo a dor das mães sofredoras, embora a dor delas seja maior; Fátima trouxe-me de volta o meu filho. Elas não tiveram essa sorte; elas choram até hoje a morte prematura de seus filhos. Levo co¬migo a dor delas − escreve isso, meu filho, na minha lápide onde repou¬sar para sempre. Agora, para não atrapalhar a vossa leitura, caro leitor, migro e transvoo para outras margens.»
    
    «É um romance histórico em que a geografia também protagoniza a construção romanesca, cujas inúmeras travessias penetram margens submersas da história de Angola, ao mesmo tempo que, pela lingua¬gem da poesia, tecem uma “terceira margem” da estória.»
                                                                                                                                           Cármen Lúcia Tindó Secco, autora e professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro
    Show book
  • Encontro das águas - cover

    Encontro das águas

    Marques Author

    • 0
    • 0
    • 0
    De acordo com o Michaelis Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa, a palavra “água” apresenta 18 definições possíveis, sendo a primeira “líquido composto de hidrogênio e oxigênio, sem cor, cheiro ou sabor, transparente em seu estado de pureza e essencial para a vida;”. Já o seu plural, águas, apresenta 5 definições. Há também mais de uma centena de expressões com os termos “água” ou “águas”, incluindo água abaixo, água da guerra, água de cheiro, água de flor, água de luz, água de oxalá, água doce, água do mar e água do mato. Eu, particularmente, gosto da mistura dos termos “açúcar”, “sal”, “luz”, “direção”, “bênçãos”, “flores”, “mel”, “vida”, “nascente”, “tempo” e “orgânicas”, todos presentes nessa seção do dicionário, para definir Encontro das Águas. Esse livro trata da religiosidade de uma mãe que, em um caminho de vida repleto de altos e baixos, foi fé em todos os momentos e de diferentes formas.
    Show book