Do you want to read 1 year without limits?
Add this book to bookshelf
Grey 902feb64d8b6d481ab8ddda06fbebbba4c95dfa9b7936a7beeb197266cd8b846
Write a new comment Default profile 50px
Grey 902feb64d8b6d481ab8ddda06fbebbba4c95dfa9b7936a7beeb197266cd8b846
Spinner ae25b23ec1304e55286f349b58b08b50e88aad5748913a7eb729246ffefa31c9
Geopolítica das Igrejas e Anarquia Religiosa no Brasil - cover

Geopolítica das Igrejas e Anarquia Religiosa no Brasil

Alberto Pereira Dos Santos

Publisher: Gramma

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Este livro traz uma análise acerca das influências e rivalidades de poderes das igrejas – principalmente a Católica e as Evangélicas – no território brasileiro, através do controle do “capital religioso” e na conquista de novos fiéis entre as populações religiosas (católicos, evangélicos, espíritas, budistas, umbandistas, candomblecistas e outros). A Geopolítica das Igrejas envolve estratégias através dos meios de comunicação, inclusive com as eleições parlamentares e até mesmo com intolerância religiosa fomentada por alguns líderes religiosos contra outras religiões.

Who read this book also read:

  • 101 Erros mais comuns de português - cover

    101 Erros mais comuns de português

    Alfredo Duarte

    • 0
    • 0
    • 0
    Você já ouviu um apresentador de programa esportivo dizer que um jogo empatou "em" 0 a 0? Você já viu uma placa com os dizeres "aluga-se" casas? Alguém já lhe disse que prefere comer frango "ao invés de" peixe? Se você não notou os erros de português, então é hora de ler este livro que reúne os erros mais comuns da língua portuguesa. São erros simples, mas que podem fazer toda a diferença em uma redação.
    Show book
  • Desmascarando As Teorias Da Negação Do Holocausto - cover

    Desmascarando As Teorias Da...

    James Morcan, Lance Morcan

    • 0
    • 0
    • 0
    Desmascarando as Teorias da Negação do Holocausto, por James Morcan e Lance Morcan com prefácio da sobrevivente do Holocausto, Hetty E. Verolme, visa acabar com o negacionismo de uma vez por todas ao abordar tal fenômeno absurdo. 
    
    
    Escrito em estreita consulta com sobreviventes do Holocausto e historiadores da Segunda Guerra Mundial, aqui nenhuma pedra é poupada ao ser meticulosamente verificado os fatos históricos do genocídio. James e Lance Morcan apresentam uma vasta gama de fontes incluindo documentação nazista, relatos de testemunhas oculares, relatórios científicos e provas fotográficas chocantes para calar o debate que os negacionistas desejam criar. 
    
    
    Um por um, dos vários argumentos que os negacionistas do Holocausto usam para tentar desacreditar os registros de guerra são cuidadosamente desmantelados e em seguida sistematicamente desmascarados. Entre as teorias a serem desmascaradas incluem: que o número de seis milhões de mortos é um exagero; extermínios câmaras de gás são fictícios; Adolf Hitler e o Terceiro Reich são indevidamente difamados; a análise de registros do Holocausto sendo um tabu devido a leis específicas na Europa que criminalizam os negacionistas; os "Sionistas do Mal" e Israel sendo tão poderosa, que eles podem censurar a história. 
    
    
    O Holocausto é mostrado nas páginas deste livro como um dos mais bem documentados e historicamente mais comprovado crime do século XX. No processo, muitos dos mais famosos negacionistas do mundo, incluindo o desonrado historiador britânico David Irving e o ex-Presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, são revelados de serem nada mais do que antissemitas procurando denegrir, minar e desmoralizar a população judaica do mundo. 
    
    
    Nesta esclarecedora leitura que cobre mais de dois milénios de história mundial, o antissemitismo é mostrado não apenas de ser a raiz de cada forma de negação do Holocausto, mas também a razão para a perseguição
    Show book
  • À Beira Da Guerra Nuclear: Crise Dos Mísseis De Cuba - União Soviética Cuba E Os Estados Unidos - cover

    À Beira Da Guerra Nuclear: Crise...

    Scott S. F. Meaker

    • 0
    • 0
    • 0
    Durante os anos 50, o grande medo era a guerra nuclear.
    Do ponto de vista da União Soviética, ter um reduto comunista tão perto da fronteira norte-americana era um sonho realizado. Até o início dos anos 60, houve uma forte corrente de tensão entre os americanos e os soviéticos. Além da perda desastrosa de vidas e dignidade na Baía dos Porcos, muitas outras coisas ocorreram. A linha foi firmemente traçada na areia. O mundo estava à beira de uma guerra nuclear.
    Show book
  • Porque é que as pessoas boas sofrem - cover

    Porque é que as pessoas boas sofrem

    Daniel Marques

    • 0
    • 0
    • 0
    A temática do sofrimento humano é uma das questões que mais tem suscitado a curiosidade ao longo dos milénios. A razão do sofrimento já foi atribuída a múltiplas fontes. Já se considerou que pudesse ter origem sobrenatural, nomeadamente através da força de vontade de um deus, ou eventualmente demónio, mas também já se pensou no mal da humanidade como uma consequência da sua atitude perversa e não-conforme com os parâmetros de moral mais corretos.Nos tempos atuais, pouco ou nada se atribui à natureza divina. Mais do que isso, os níveis morais da humanidade nunca antes se encontraram tão baixos como agora. Neste âmbito, começou-se a considerar o sofrimento, a dor, e em geral, todas as situações que são causadas ao homem, como naturais e até inevitáveis. A humanidade caiu num nível de apatia tal que considera tudo como normal. É, aliás, bastante difícil argumentar ou apresentar razões para o sofrimento humano numa sociedade que não se mostra minimamente recetiva a uma resposta nesse sentido.Não é fácil aceitar que o sofrimento tenha uma causa quando consideramos crianças inocentes que mal tinham acabado de aprender a brincar e já sentem doses elevadíssimas de dor, e muitas vezes enfrentam a própria morte. Não é fácil observarmos um jovem limitado até ao resto da sua vida devido a um acidente estúpido e perfeitamente evitável. E certamente também não é fácil encararmos a morte de um pai ou mãe que deixa uma vida cheia de projetos com crianças por criar.A vida possui as suas particularidades e elas incluem doses muito elevadas de sofrimento. Em alguns casos os níveis são tais que a própria vida parece ser uma tortura interminável.A eutanásia e o suicídio parecem ser as únicas respostas possíveis para muita gente em angústia, por vezes durante largos anos, ou até desde toda a vida.Através desta obra, estes assuntos serão analisados à luz duma perspetiva de fé e responsabilidade.
    Show book
  • O Natal De Hugo - cover

    O Natal De Hugo

    JOSE RAMON MORENO BERMEJO, MARIA...

    • 0
    • 0
    • 0
    Hugo era o filho Único de uma muito família pobre. Desde Que nasceu, seus pais quase não conseguiam dar un ele O que comer. Desesperados Pelo Bem Estar-de seu filho, os Pais aceitaram uma proposta de trabalho numa cidade afastada, ainda Que una sueltas condição desta oferta fosse a de que não poderiam levar seu filho, pois os Trabalhadores de tal Empresa teriam Que viver juntos distribuídos em várias casas daquela cidade distante. E só havia Lugar párr eles. Os pais, diante das escassas possibilidades de Poder dar un seu filho um melhor futuro, aceitam una proposta e decidem deixar seu filho nas mãos hacer pároco da cidade, Para Que ele o levasse ao orfanato, Até que eles pudessem voltar e RECUPERA-lo, párr Poder dar-lhe um melhor futuro. Mas, sin tempo deste transcorrer, una vida de Hugo vai mudar e sua Toda Será Existencia Por Alterada uma série de acontecimentos Que marcarão sua Maneira de entendre como coisas, llegar até ao seu décimo natal.
    Show book
  • O Pessimismo Nacional - cover

    O Pessimismo Nacional

    Luis A R Branco

    • 0
    • 0
    • 0
    Este livro é inspirado na pequena obra de Manuel Laranjeira, O Pessimismo Nacional: Ou de Como Os Portugueses Procuram Soluções (Lisboa: Padrões Culturais, 2008). Quando li a obra de Manuel Laranjeira pela primeira vez há alguns anos fiquei logo impressionado com algumas das semelhanças sofridas pelo povo português no início do Séc. XX e que tanto se parece com aquilo que vivemos hoje no Brasil do Séc. XXI. Na verdade, do livro de Laranjeira extraí alguns versos e muito da ideia do jovem médico- psiquiatra, poeta, dramaturgo, ensaísta, crítico e articulista.Absorvi um pouco do pessimismo de Laranjeira para que service-me de inspiração para escrever o presente livro no intuito de despertar o cidadão brasileiro para uma maior consciência cívica, indignação quanto aos desmandos da classe dirigente e desejo de mudança para um país melhor para nós e nossos filhos.Luis Alexandre Ribeiro Branco
 Primavera, 2014 
Lisboa
    Show book