Join us on a literary world trip!
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
O Bom-Crioulo - cover

O Bom-Crioulo

Adolfo Caminha

Publisher: Vermelho Marinho

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

Obra fundamental do período do Naturalismo, publicada em 1895, é considerado o primeiro romance a abordar o homossexualismo ao narrar a descoberta do sentimento de Amaro (o Bom-Crioulo) pelo grumete Aleixo. Marinheiro forte, que intimida a todos e com um histórico de violência quando bebe, o Bom-Crioulo toma sob sua proteção o jovem Aleixo, loiro, pequeno e de olhos azuis, seu exato oposto. Não podendo assumir publicamente seus desejos, ninguém tem coragem de criticar e correr o riso de enfrentar a ira de Amaro. Crítica ao conservadorismo da sociedade, é uma obra densa e trágica.

Other books that might interest you

  • Causas da Decadência dos Povos Peninsulares - cover

    Causas da Decadência dos Povos...

    Antero De Quental

    • 0
    • 1
    • 0
    «Meus Senhores: A decadência dos povos da Península nos três últimos séculos é um dos factos mais incontestáveis, mais evidentes da nossa história: pode até dizer-se que essa decadência, seguindo-se quase sem transição a um período de força gloriosa e de rica originalidade, é o único grande facto evidente e incontestável que nessa história aparece aos olhos do historiador filósofo. Como peninsular, sinto profundamente ter de afirmar, numa assembleia de peninsulares, esta desalentadora evidência. Mas, se não reconhecermos e confessarmos francamente os nossos erros passados, como poderemos aspirar a uma emenda sincera e definitiva? O pecador humilha-se diante do seu Deus, num sentido acto de contrição, e só assim é perdoado. Façamos nós também, diante do espírito de verdade, o acto de contrição pelos nossos pecados históricos, porque só assim nos poderemos emendar e regenerar.»Antero de Quental
    Show book
  • As Minas de Salomão - cover

    As Minas de Salomão

    Henry Haggard

    • 4
    • 7
    • 0
    As Minas de Salomão tem um lugar peculiar na literatura porque a tradução de Eça de Queiroz para a língua portuguesa ficou mais famosa do que o original em inglês. Trata-se de uma clássica história de aventuras do século XIX, quando a África era um mundo distante e selvagem, com os mistérios e perigos do improvável reino dos Kakuanas. A narração moderna, límpida e veloz, em grande parte devida ao tradutor genial, torna a leitura cativante ainda hoje, mais de um século depois. A propósito, na "Introdução" do suposto narrador Quartelmar, há uma observação, que se deve por certo ao tradutor: "Lança aguda não precisa brilho, diz um provérbio dos kakuanas: e, movido por este conselho da sabedoria negra, arrisco-me a apresentar a minha história, núa, lisa, nas suas linhas verdadeiras, sem lhe pendurar por cima, para a tornar mais vistosa, os dourados galões da Eloqüência." A ausência desses galões pesados garante leveza e graça ao texto, e explica o fascínio perene desta extraordinária tradução para os novos leitores.
    Show book
  • Você sabe o que seu filho está fazendo na internet? - cover

    Você sabe o que seu filho está...

    Wanderson Castilho

    • 0
    • 2
    • 0
    Se a internet facilita mais e mais a nossa vida, por outro lado é uma fonte cada vez maior de preocupação para quem tem filhos. Neste livro, pais, mães, familiares e educadores – além dos próprios filhos – vão conhecer um pouco mais das ameaças que nos rondam dentro de um computador, de um tablet ou de qualquer dispositivo conectado à internet. E vão ficar mais cientes e mais preparados para lidar com problemas que, se ainda não apareceram, têm grande chance de acontecer.
    Show book
  • Contos - cover

    Contos

    João da Câmara

    • 2
    • 8
    • 0
    O sol despedia os raios mais vividos. O suào aquecido nas cinzas das queimadas soprava abrazador. Via-se tudo em volta como atravez de vidros amarellos. O caminho era ruim, apenas indicado por velhos muros afogados em silvas e cheios de musgo como ferrugem, que lindavam as tapadas. No meio da estrada erguiam-se de espaäo a espaäo enormes panedos, que ainda{2} conservavam os furos das brocas, mostrando um trabalho abandonado de um dia para outro, falta de dinheiro, alguma eleiäào perdida. Massas enormes de granito esbranquiäado erguiam-se de uma e outra banda, umas por cima das outras, acastelladas. Por entre as pedras cresciam as giestas sequinhosas, cujo fructo crepitava abrindo-se aos beijos do sol e deixava caêr a semente na terra. Nos pontos mais elevados resahiam do tremulo azul celeste uns carvalhos rachiticos e tortos, que nào davam sombra. Elle caminhava alegre, estrada fïra, parando de vez em quando para escolher nos cachos das amoras, que relusiam ao sol, as menos maduras, avermelhadas, rijas, cujo acido lhe mitigava a sede. Ainda vinha com o seu bigode, com as caläas de linho e as botas pretas de soldado, em que brilhavam como lentejoulas os pedacinhos de mica do granito desfeito
    Show book
  • Aurora boreal - cover

    Aurora boreal

    Maria Amélia Thomaz

    • 0
    • 0
    • 0
    Este é o primeiro livro publicado da escritora mineira Maria Amélia Thomaz. Com leveza e sensibilidade ela nos surpreende com um estilo inovador e simples de contar histórias. Aurora Boreal se passa no interior de Minas Gerais, entre as décadas de 70 e 90. É uma história sobre o processo muitas vezes árduo, porém bonito, de superação perante os infortúnios da vida. Quando Guilherme chega da França, após concluir seus estudos, a sua vida desemboca num espiral de reviravoltas, amores brutos, sofrimento e superação. Uma história que fala fundo. O leitor irá se encantar com uma Minas bucólica, a fartura, os costumes, a paisagem, os tipos humanos. A Estância d´Água, propriedade da família de Guilherme, parece ter sentimento e vontade próprios, recebe sempre com amor.  Ao longo das reviravoltas, a autora nos brinda com o mugir confortante das vacas, o canto esperançoso dos pássaros, a calma do Rio Bicudo. Os ditos e os não ditos de dona Geralda, os modos de falar, a goiabada, o queijo, a sanfona. Sem abrir mão desse sentimento quase saudosista, que faz o leitor viajar por uma Minas que aos poucos deixa de existir, Maria Amélia não poupa das críticas alguns dos costumes conservadores que acabam por tolher a liberdade das pessoas, no seio da tradicional sociedade mineira. Tais críticas, feitas de forma elegante, e algumas pitadas de engajamento político completam o tecido da história.
    Show book
  • Charneca em Flor - cover

    Charneca em Flor

    Florbela Espanca

    • 0
    • 5
    • 0
    No imaginário feminino português, "Charneca em Flor" celebra um ultrapassamento literário: a ruptura com o estereótipo de mulher imposto pelo patriarcado. A partir daqui, a dor e as Saudades (dotes de mulher) são já um fantasma que ela vê passar pelas vielas de Évora, na figura evanescente da Menina e Moça que fora. Revisitando agora a sua origem alentejana, a nossa investida Sóror Alcoforado (antiga Dama de Bernardim e mística Dona de Garcia de Resende) despe a mortalha e abandona a clausura para, em comunhão telúrica, abrir-se em flor - impulso que, desejo erótico, é também pulsão de morte. Todavia, dentro desse paradoxo, Florbela se experimenta (em voo livre do regional para o nacional) avatar feminino de Camões. E deste modo mergulha em definitivo na fonte mesma do soneto - forma fixa que passara a vida a ajustar a fim de torná-la mais condizente ao seu género. Afinal, no seu espartilho poético, o soneto não lembra a cela, da qual toda a mulher se quer evadir?!
    Show book